Caminho para o Competitivo – Cap. 3 – Treino, Aprendizado e Evolução

Publicado por Álvaro França em

Treino, Aprendizado e Evolução

Saudações jogadores!

Retornamos com mais um artigo da nossa série Caminho para o Competitivo. A série de artigos voltada para os jogadores que desejam entrar, e/ou evoluir no cenário competitivo!

Vimos no artigo passado a importância da escolha correta de um jogo quando se deseja jogar competitivamente. Denotamos o quão importante é escolher um jogo com baixa chances de se auto-degenerar, e a necessidade de que o jogo não tenha mecanismos de evolução escalável, como no caso dos MMORPGs, para que todos os jogadores tenham o “mesmo acesso” às “mesmas ferramentas”. Consideramos Magic: The Gathering e o formato Pauper como o jogo escolhido e fizemos uma breve introdução ao formato. Comentamos alguns de seus fatos históricos, e trouxemos ao final uma lista de prós e contras do formato hoje.

Agora você já tem a mentalidade do campeão e conhece o conceito de jogar pra vencer. Você também já escolheu o seu jogo e conheceu um pouco mais a respeito dele. É chegada a hora então de darmos mais um passo no nosso caminho, entrando agora em águas mais profundas.


Treino e Aprendizado

Chegamos então na parte em que, de fato, buscamos melhorar no jogo, evoluir do nível básico para o intermediário, e do intermediário para o avançado. É no nível avançado em que a competição ocorre em seu melhor, mas é impossível alcançá-lo sem antes passar pelos outros dois níveis. Como citei em artigos passados, é preciso antes criar um bom alicerce para, só depois, levantar a construção.


Faça o “Dever de Casa”

caminho-competitivo-treino-aprendizado-homework

Antes de buscar entrar nas partidas de cabeça, é importante que você faça o dever de casa. Nessa parte serei sucinto e direto, pois é um ponto lógico, mas que precisa ser citado pois muitos iniciantes, principalmente, não se atentam ao mesmo.

Antes de qualquer coisa, e logo depois de escolher o seu jogo, faça uma pequena pesquisa a respeito dele. Se você passou minuciosamente pela etapa de escolher o jogo, discutida no artigo anterior, provavelmente boa parte disso já foi feito. Senão, estamos aqui para auxiliar. 

É importante, sempre que se entra em um novo jogo, conhecer o básico a respeito dele. No caso do Magic: The Gathering e do Pauper, se for um jogo novo para você, é crucial a leitura do manual básico de regras. Como o nome já diz, é um manual bem básico que ensina de forma bem simples como o jogo funciona. Ele pode ser encontrado no próprio site da Wizards of the Coast. Existe também uma infinidade de vídeos básicos e explicativos no Youtube que podem ajudar e facilitar o entendimento. O importante aqui é que você saiba o básico para que não perca o seu tempo de treino com outros jogadores preenchendo conhecimento que poderia ter aprendido sozinho. 

Para o Pauper, é importante ainda checar a regra de legalidade das cartas e a lista de banidas e restritas do formato, para que não aconteça de se usar uma carta ilegal por acidente.

Feito isso, o seu dever de casa está pronto. É algo simples como disse, mas, acredite, muitos jogadores vão até para torneios sem ter a mínima ideia de como jogar o jogo. Eles acabam passando por frustrações desnecessária, perdendo o tempo de treino que poderia ser melhor aproveitado, e gerando uma impressão errônea sobre eles na comunidade.

Dever de casa pronto, vamos ao próximo passo.


Ambiente e Plataforma

caminho-competitivo-treino-aprendizado-lgs

O primeiro passo a ser dado nessa etapa é a busca por um local com jogadores disponíveis para treino. No nosso caso, concomitantemente, precisamos escolher um baralho para iniciar nossos treinos. Afinal, sem baralho não há como treinar. 

Para fins de simplificação, nesse momento, vamos considerar apenas que o baralho já foi escolhido. A melhor escolha para um metagame, o deckbuild em si e etc serão discutidos adiante nesta série e não são o foco deste artigo. Chegaremos lá ainda, mas, por hora, a dica que deixo para quem está começando é que de uma olhada no seu metagame local ou em um metagame online e veja um baralho que tem aparecido com certa frequência fazendo bons resultados. Pode também tentar uma aproximação da comunidade e pedir uma indicação aos mais experientes. Aos que estão iniciando, arquétipos mais lineares como o Stompy podem ser uma boa alternativa. O importante é ter um baralho inicial que te agrade, pois você passará bons tempos com ele no início.

Enfim, com o baralho em mãos, vamos em busca de uma área de treinos. Você pode, através do site da Wizards of the Coast [1], pesquisar uma loja registrada no Wizards Play Network (WPN) próxima ao seu endereço ou próxima a algum lugar que você vai com frequência como escola, faculdade ou trabalho. Você pode também pesquisar nas redes sociais por comunidades na sua região e questionar aos próprios jogadores se existem locais de jogo e treino.  Algumas vezes os jogadores reúnem-se em locais fora das lojas para treinar por ser mais cômodo para o grupo. É uma prática mais comuns em cidades menores onde se tem poucas lojas e a localização acaba não sendo a melhor para todos.

Enfim, há vários meios de se encontrar esses locais, o importante é que sejam locais de fácil acesso para você, e que possuam jogadores disponíveis para treino. Preferencialmente, opte por locais onde pequenos eventos são realizados, torneios abertos ao público em que qualquer jogador pode se inscrever, como os Friday Night Magic. Esses eventos tendem a ter um ritmo mais iniciante para quem ainda não é muito habituado ao jogo e são ótimos para treinos.

Queria destacar novamente a importância de se optar por um local perto a algum lugar onde você vá com frequência. Digo isso pois, como já dito, o caminho até o competitivo não é fácil, e demanda bastante tempo e esforço. Assim, quanto mais próximo o seu local de treino (que deve ser um lugar que você visitará com frequência) for de algum lugar que você já tenha que ir de qualquer forma no seu dia-a-dia, menos tempo e esforço você terá com translado, e mais tempo e energia terá para treinar.

Para nós jogadores do Pauper, tem-se ainda uma segunda opção nesse quesito, que é o uso de plataformas digitais. Já é conhecido que o Magic Online é uma plataforma com um bom número de jogadores ativos do formato Pauper, e que traz, recorrentemente, eventos digitais de médio e grande porte. É uma plataforma paga que demanda um certo investimento inicial, mas é uma alternativa para quem mora em cidades com poucos jogadores, ou que precisam se deslocar por grandes distâncias para encontrar a loja mais próxima. É também uma ferramenta fundamental para quando estivermos subindo de nível, para jogos com jogadores mais experientes. Digo isso pois muitos dos melhores jogadores do formato estão ativos praticamente todos os dias na plataforma. 

Para todos os fins, o importante é que você tenha acesso fácil aos treinos sempre que precisar, seja por meios físicos ou digitais.


Processo de Aprendizagem

caminho-competitivo-treino-aprendizado-aprendizado

Nesse ponto é importante fazer uma pequena introdução sobre o processo de aprendizagem. 

A neurociência explica o processo de aprendizagem de várias formas e vários pontos de vista diferentes. Mas, para fins de simplificação, as duas vias mais comuns, e as mais aplicáveis ao nosso caso, são as atividades emotivas [2][3][4] e as atividades repetitivas [2][5]

Aprender algo nada mais é do que reter informação a respeito deste algo. Basicamente, transforma-se memórias recentes, aquelas que criamos há pouco tempo, em memórias permanentes, aquelas que acessamos com frequência no nosso dia-a-dia. Nesse processo, temos como vias de auxílio as atividades emotivas e repetitivas.

As atividades emotivas são àquelas, como o próprio nome já diz, ligadas literalmente à emoção. Assim, quanto mais ligação emocional você tiver com uma situação, mais fácil de retê-la em memória será. Escolher um baralho com uma temática que se identifique com o que você gosta, ou uma estratégia que te agrade, pode ser uma ajuda nesse ponto.

Um dos principais catalizadores de uma atividade emotiva é a motivação. Quando motivados, sentimos um forte impulso emocional em fazer algo, em aprender algo e em melhorar nesse algo. A motivação surge quando gostamos muito e alguma coisa, e é normal aparecer para jogadores que gostam de competir e buscam a competição. É comum também que a motivação seja maior nos primeiros passos do processo de aprendizagem, quando conhecemos pouco, temos muita informação disponível e muito a ser explorado. É coincidentemente a parte do processo em que também aprendemos mais, conforme pode ser visto na imagem abaixo.

caminho-competitivo-treino-aprendizado-curva

Curva de Aprendizado

Já as atividade repetitivas são aquelas de cunho mais técnico e mais ligadas ao desenvolvimento intelectual. Basicamente, é o que muitos de nós fazemos na faculdade ou na escola. Ler um livro ou um texto diversas vezes para armazenar suas informações. Repetir algumas vezes um exercício para entender o seu desenvolvimento e resolução. Todas essas são atividades repetitivas, e se você realizou alguma delas em algum momento da sua vida, sabe que são facilitadores do processo de aprendizagem. Talvez, seja o facilitador mais antigo conhecido. 

Perceba que, quando falo em repetição, não me refiro a famosa “decoreba”. Decorar cria uma memória de curto prazo, mas o que buscamos são memórias permanentes. Quem já decorou algo para uma prova e esqueceu assim que saiu da sala sabe do que estou falando.

Aqui, o que buscamos é a repetição de nossos treinos. Executar e reexecutar nossos jogos buscando transformar as memórias dos resultados tanto das nossas jogadas, quanto das jogadas dos nossos oponentes, em memória permanentes. Através da plasticidade neural, criamos padrões em nossa mente com cada situação de jogo que vivenciamos e repetimos. Esses padrões, quando aprendidos, estarão disponíveis com facilidade sempre que entrarmos em uma partida, o que facilitará nosso raciocínio frente a algumas situações de jogo, e nos guiará para as melhores soluções. E esse é o tema do próximo tópico.


Básico, Intermediário e Avançado

Em posse dos nossos decks, e encontrando-se um bom local ou plataforma de treino, com um bom grupo de jogo, chegou a hora de, de fato, treinarmos!

O objetivo aqui é conseguir acumular experiência o suficiente para que se tenha uma proficiência básica sobre o nosso jogo escolhido. Sem essa proficiência básica, nunca conseguiremos alcançar o nível competitivo. 

Quando falo sobre proficiência básica, não estou me referindo as regras básicas do jogo que citei anteriormente. Falo sobre os pormenores mais comuns do jogo, que no nosso caso, são alguns detalhes importantes do formato Pauper. Me refiro a pequenos pontos como, durante uma partida, quais criaturas precisam ser removidas de jogo o mais rápido possível, quais mágicas precisam ser anuladas, quais as jogadas mais comuns de cada arquétipo, quais arquétipos tem vantagem contra quais outros arquétipos e etc.

Essa proficiência pode ser adquirida através de três passos simples.


Primeiro Passo

O primeiro deles é o auto-estudo. Se você está lendo esse texto então boa parte do seu trabalho já está sendo feito, mas é sempre bom buscar ainda mais conhecimento em livros, artigos e portais voltados para o jogo. Consultar, com frequência, os resultados de eventos importantes também é crucial para se ter uma boa ideia de como um metagame pode se comportar. Se você está aqui, provavelmente segue nossos conteúdos e já acompanha os resultados. Mas, caso não siga, cheque as nossas redes nos links na lateral dessa página! Postamos semanalmente os resultados dos eventos do mais importantes do formato Pauper no Magic Online para que você fique por dentro das novidades!


Segundo Passo

O segundo passo é, de fato, jogar contra outros jogadores. Jogar várias partidas contra vários oponentes diferentes é sempre uma forma de treino. Nelas você vai vivenciar diversas situações de jogo e suas resoluções que, com o tempo, serão transformadas em memórias permanentes e, consequentemente, serão aprendidas. 

Nesse ponto, é preferível que você busque jogadores de nível básico ou intermediário para as suas partidas. Partidas com jogadores experientes nesse ponto da nossa jornada podem te ensinar muito sobre o que você não deve ser feito em uma partida, ou o que deve ser evitado, mas dificilmente você conseguirá aprender o que você deve fazer e como você deve de fato finalizar o jogo. Jogadores experientes tendem a cometer menos erros durante as partidas e abrirem menos canais para que você consiga executar uma jogada bem sucedida, então as chances de que você consiga de fato executar as suas melhores jogadas, e com o tempo memorizá-las, é menor.

Jogadores iniciantes e intermediários, por outro lado, tendem a abrir mais espaço para que você consiga executar seus planos de jogo. São mais propícios a jogadas não-ótimas e erros, o que te garante tempo não só para pensar, como também para executar suas melhores jogadas e finalizar mais jogos. Importante salientar o “finalizar mais jogos”, pois o que você mais deve buscar nesse treinamento com jogadores menos experientes é o que você deve fazer para finalizar as partidas. Atenha-se menos a jogadas mais complicadas e foque na sua visão de vitória. Focando em como você pretende ganhar a partida, o desenrolar da mesma deve guiá-lo por uma boa quantidade de situações que você terá que resolver para que o seu plano se concretize, e o seu aprendizado seguirá evoluindo.

Com o tempo e a evolução do seu aprendizado, o seu nível vai melhorar o suficiente para que partidas com alguns jogadores menos experientes tornem-se cada vez mais fáceis. Você sentirá, saberá que está melhorando, e como eu disse no primeiro artigo da nossa série, isso é facilmente mensurável quando consideramos o seu histórico de vitórias. Então, deixo mais uma dica: registre os seus jogos. Uma anotação simples com quando o jogo ocorreu, quais os arquétipos envolvidos e qual o resultado final, basta nesse ponto.

Nesse momento o seu histórico de vitórias deve estar aumentando, e é uma tendência natural do ser humano querer permanecer em um ambiente confortável e favorável. Mas não se engane, essa é uma mentalidade de um scrub! Quem realmente busca ser um campeão sabe que o caminho da evolução é árduo e que a evolução em si precisa ser constante.

Então, você não deve aprofundar-se muito em jogos unicamente com esse nível de jogadores. Caso persista jogando e treinando apenas com jogadores menos experientes, você pode criar um processo de má aprendizagem. Como dito, jogadores menos experientes tendem a fazer jogadas menos otimizadas e cometer mais erros durante as partidas, o que cria brechas suficientes para que você execute suas jogadas e finalize o jogo com segurança. Mas, conforme você melhora, essas brechas ficam mais claras, e o aprendizado chega a um limiar de estagnação, como pode ser visto no topo da curva da imagem que mostramos anteriormente.

Nesse ponto, você pode acabar criando memórias ruins de que as suas jogadas sempre poderão ser feitas de maneira segura através de brechas do oponente, e nunca aprenderá de fato o que fazer quando o seu plano não sair como você espera, o que muito provavelmente ocorrerá em jogos mais competitivos com jogadores experientes. 

Assim, nesse ponto, o melhor a se fazer é subir um degrau e começar a buscar jogos com jogadores mais experientes, que é exatamente o nosso próximo passo.


Terceiro Passo

Nesse passo, agora sim, devemos buscar partidas com jogadores mais experientes. Com uma base bem estruturada e um conhecimento mais sólido do formato que consolidou com os jogadores menos experientes, você terá mais oportunidades de entender como de fato funcionam os jogos com jogadores mais experientes, e consequentemente, em um ambiente competitivo. 

Assim, nas partidas com jogadores mais experientes, você deve mudar um pouco o foco que antes era em como simplesmente ganhar a partida, e dar mais atenção a algumas táticas de jogo. Em jogos com jogadores experientes elas aparecerão com certa frequência e serão um trampolim para a vitória. Cobriremos assuntos sobre tática e estratégia em artigos futuros dessa série. Mas, acredite, você identificará essas táticas com clareza, principalmente depois de perder algumas partidas que, com certeza, deve ocorrer no início. Muitas das suas jogadas serão frustradas, outras completamente anuladas. Seu plano de jogo será arruinado muitas vezes, mas, não desanime. Todas essas derrotas iniciais fazem parte do processo de aprendizagem, e com o tempo, você cultivará uma esperteza extra que te dirá como agir em cada uma das situações em que foi subjugado anteriormente. 

Um bom aditivo nesse nível é, também, assistir a partidas entre jogadores experientes. Você pode assisti-las ao vivo quando estiver com o seu grupo de jogo, e até mesmo pedir o auxílio de outros jogadores experientes que estejam de fora da partida para que te expliquem algumas jogadas mais complicadas. Você pode também assisti-las online, através de repositórios de vídeo. No Youtube hoje temos uma infinidade de partidas, tanto físicas quanto digitais, gravadas e transmitidas por excelente jogadores. Muitas delas são comentadas, o que facilita ainda mais o entendimento. Vale a pena gastar uma parcela do tempo com vídeos. Além de ensinamentos também são um entretenimento para quem é amante do jogo.

Um outro ponto a comentar é o Magic Online. Como já dito, a plataforma conta com uma grande quantidade de jogadores ativos no formato Pauper, e os melhores estão sempre lá. Nessa etapa, adquirir uma conta na plataforma e fazer parte de alguns eventos, independentes ou oficiais, pode ajudar e muito no seu desenvolvimento como jogador, além de ser uma boa maneira de treinar para os eventos físicos que futuramente você participará. Então, se você tem disponibilidade de criar uma conta no Magic Online, faça. É um investimento que, nessa etapa, se paga com uma carga enorme de conhecimento. 

Por fim, recomendo, novamente, que você faça sempre os registros dos seus jogos para acompanhar sua evolução, e que o mais cedo possível faça parte da comunidade. Encontrar um grupo de jogo ou um time para fazer parte pode ser muito benéfico para você. São sempre pessoas muito diferentes, com níveis bem diferentes também, que podem sempre agregar conhecimento e te auxiliar em dúvidas no futuro.

A interação com a comunidade em si é muito importante, mas lembre-se, fora da partida as normas sociais volta a ser a aplicadas. A ética, a moral, o escutar os experientes e refutar com educação, são imprescindíveis! Falaremos mais a respeito disso no próximo artigo!


Conclusões

Enfim, é isso. Comentamos nesse artigo sobre o processo de aprendizagem, ambientes e plataformas de treino, a importância do treino correto com oponentes em níveis escalados, e finalizamos com a importância de se fazer parte da comunidade e ser próximo de um grupo de jogo ou um time. Parte do tema do próximo artigo tem relação com essa última parte, então, fique de olho!

Curtam a nossa página no Facebook e sigam no nosso perfil no Instagram! Temos também um LinkBio atualizado semanalmente com os principais links postados nas nossas redes e nos nossos artigos. Comente com os amigos pois a sua propaganda é sem dúvida de suma importância para continuarmos trazendo artigos cada vez melhores para vocês!

Nos vemos no próximo artigo!

Até breve!


Fontes:

[1] – Localizador de Lojas, Wizards of the Coast – https://locator.wizards.com

[2] – Aprendizagem e Neurociência, Nova Escola –  https://novaescola.org.br/conteudo/217/neurociencia-aprendizagem

[3] – Neurociência a favor da Aprendizagem, Sophia – https://www.sophia.com.br/blog/materiais-educativos/saiba-como-a-neurociencia-atua-a-favor-da-aprendizagem

[4] – Neurociência Cognitiva, IBCCoaching – https://www.ibccoaching.com.br/portal/coaching-e-psicologia/neurociencia-cognitiva-ciencia-aprendizagem-educacao/

[5] – Repetição na Aprendizagem, Instituto de Neurociências Aplicadas – https://neurocienciasaplicadas.com.br/quando-se-fala-de-repeticao-na-aprendizagem-muitas-pessoas-costumam-acreditar-que-e-a-mesma-coisa-que-decorar-porem-sao-coisas-bem-diferentes/


Álvaro França

Formado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal Fluminense, trabalha como cientista de dados no mercado de energia e joga Magic:The Gathering desde 1998, com ênfase no formato Pauper desde 2009. Aventurou-se em vários card games e demais jogos de estratégia durante a vida e acumulou largo conhecimento na teoria e prática desse tipo de jogo.

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *