Metanalysis S01E09 – Outubro de 2020

Publicado por Álvaro França em

Metanalysis S01E09

Saudações jogadores!

Trazemos para vocês mais uma vez o Metanalysis! A nossa análise mensal do metagame dos eventos do Magic Online! Vamos analisar os dados do mês de outubro e observar o desempenho dos arquétipos que apareceram neste mês!

Antes de mais nada, vocês sabiam que também estamos nas redes sociais? Só clicar nos ícones que ficam aqui na lateral da página e acompanhar todas as novidades mais relavantes do formato Pauper!


Relembrando…

No mês de setembro vimos a alternância clássica entre Tron x Midranges Azuis (UB Faeries nesse caso) e Aggros (representados pelo Stompy). O mês iniciou-se com uma tendência forte de midranges e aggros disputando as melhores posições, e viu o Tron retomar suas forças no decorrer da segunda quinzena. Finalizamos o Metanalysis passado prevendo um início de outubro mais direcionado a aggros, seguido de uma retomada dos Trons no segundo evento do mês para combater esses aggros. 

Vamos ver agora como foi o comportamento do metagame do mês de outubro, e analisar se as nossas previsões se concretizaram! 


Outubro de 2020

Vamos começar já analisando os números de fechamento do mês de outubro. Tivemos um total de 9 Challenges, 479 inscritos e 1374 jogos realizados!

metanalysis-s01e09-table
metanalysis-s01e09-qty
metanalysis-s01e09-%w

Metagame por quantidades – Dados provenientes do Challenge Project [1]

Começando pelas quantidades, vemos o Tron voltando ao seu trono de arquétipo mais presente do mês, apesar de uma diferença pequena em relação ao segundo lugar. O UB Faeries que foi o arquétipo mais presente do mês passado, nesse mês ocupou a terceira posição em presença, com apenas cinco cópias de diferença para o segundo lugar. O papel de regulador do formato que no mês anterior ficou nas mãos do Stompy  (na quarta posição em presença neste mês), ficou agora com o próprio Burn, e explicaremos isso adiante no detalhamento dos eventos do mês.

Olhando agora para o percentual de vitórias, vemos o Tron também como o arquétipo com maior aproveitamento no mês, bem diferente do mês anterior em que vimos números bem similares entre os arquétipos e um metagame bem mais equilibrado. O Burn, entretanto, apesar de ser um arquétipo bem presente, apresentou números medíocres como de costume, apesar de figurar no top 8 algumas vezes. Nesse quesito só não foi pior que o Affinity e o Boros Bully. Esse último, inclusive, teve performance bem pior que o mês anterior e não chegou nem perto de ser um destaque em outubro. 

Em contrapartida, vimos muitos Elves neste mês. O arquétipo que normalmente aparece de forma tímida, conseguiu comparecer entre os dez mais presentes do mês, e com um percentual de vitórias bem diferente do que costuma apresentar. Conseguiu inclusive ficar bem próximo do aproveitamento do Tron, apesar de em quantidade muito menor. Veremos mais sobre isso adiante.

Por fim, analisando os 10 arquétipos com maiores percentuais de vitória, vemos o Elves, já citado anteriormente, logo atrás do Tron. Além disso, temos os demais arquétipos com valores bem próximos entre si, com cerca de 1% de diferença. Destes, os arquétipos que tiveram maior presença, e consequentemente resultados mais fiéis e reais, foram o Tron e o Boros Monarch. O Boros vem sendo comentado em nossos artigos com certa regularidade. Como eu sempre digo, é um arquétipo que não se pode subestimar. Com acesso a remoções pontuais, anulações (Red Elemental Blast/Pyroblast), as remoções de artefato mais potentes do formato, criaturas com evasão e a mecânica do Monarca, consegue ser uma pedra no sapato da maioria dos arquétipos do metagame, não tendo jogos muito desfavoráveis contra praticamente nenhum (Tron e alguns combos são exceção). 

Temos outros arquétipos ainda com valores de percentual de vitória muito similares. Mas é importante salientar que arquétipos com presença muito baixa como o UW Tireless Tribe e o Cycle Storm não possuem uma confiabilidade muito boa em seus percentuais de vitória. Por isso, para fins de análise, eles podem ser desconsiderados até que a sua presença seja grande o suficiente para uma confiabilidade maior.

metanalysis-s01e09-cmr

Por fim, antes de entrarmos nos detalhes de cada evento, gostaria que levassem em consideração alguns aspectos do mês que podem influenciar nas análises futuras. Durante todo o mês de outubro, acompanhamos os spoilers de Commander Legends e as cartas que entrarão no formato Pauper a partir do seu lançamento. Dentre elas, algumas receberam grande atenção e prometem causar grande impacto no formato. É o caso das cartas que implementam a mecânica do monarca, cujas quais algumas serão reimpressas (Thorn of the Black Rose, Palace Sentinels e Entourage of Trest), o que fará com que sejam mais acessíveis no Magic Online (muitas delas já ficaram mais baratas), e outras são novas e serão lançadas com exclusividade nesta edição. É o caso, por exemplo, de Fall from Favor. É uma “remoção azul”, com CMC 3 (bem mais baixo que os monarcas antigos) e que garante Monarca ao controlador uma vez que entra no campo de batalha. É uma carta que muda totalmente como a dinâmica do monarca é abordada na cor azul e promete gerar algumas mudanças nas listas dos arquétipos, principalmente dos midranges azuis.

Finalmente, no último dia de spoilers, recebemos mais duas criaturas que garantem Monarca ao entrarem no campo de batalha (uma azul e uma vermelha, o spoiler completo pode ser conferido aqui [2]) e a carta que gerou mais polêmica, e o downgrade mais aguardado pelo Gavin, segundo ele mesmo. Pela primeira vez no formato, o Pauper vai ter acesso a uma remoção em massa, instantânea, e que causa dois pontos de dano a todas as criaturas não piratas. Estou falando da carta Fiery Cannonade. De acordo com o próprio Gavin em seu Twitter, a carta traz ao vermelho algo que “faltava”, uma remoção em massa que cause mais que 1 de dano (referenciando-se a Electrickery, que era a escolha dos jogadores até então). E de fato, durante muitos anos esse foi um questionamento da comunidade, que se dividia entre pessoas que querem e pessoas que não querem uma remoção desse calibre. 

Expliquei tudo isso pois, dessa forma, como vocês podem ver nos números acima, mesmo o Tron tendo resultados que são normalmente preocupantes do ponto de vista da Wizards of the Coast (e que normalmente geram banimentos), o formato tende agora a sofrer uma reviravolta e se organizar durante um tempo. Como o próprio Gavin disse (abaixo) em um AmA realizado no reddit [3], o tempo agora é de observar o movimento do metagame e, só então, decidir que medidas devem ou não ser tomadas.

Fonte: /r/pauper [3]

Parece então perda de tempo analisar um metagame que está prestes a mudar bastante, mas acredite, não é. Como eu sempre digo aos meus seguidores, o ponto principal do Metanalysis não é aplicar diretamente os resultados do metagame do mês ao seu metagame local ou ao metagame de outros eventos, mas sim entender como é a mentalidade do jogador frente a cada metagame para, quando encontrar algo similar na sua área de jogo, saber as melhores escolhas a fazer. Com isso, vamos às análises!


Primeira Quinzena de Outubro

A primeira quinzena do mês foi quase dominada por aggros. Nos eventos da primeira semana, dias 3 e 4, tivemos uma predominância de aggros nos inscritos e nos arquétipos mais presentes, com Burn, Stompy, Elves e Affinity marcando forte presença e dividindo as melhores colocações com midranges como as variantes Boros.

Esse comportamento pode ser mais facilmente visualizado no evento do dia 3, onde não tivemos nenhum Tron e nenhum midrange azul entre os oito melhores, e tivemos o Burn como arquétipo mais presente, seguido do Stompy e do Affinity, dando o primeiro lugar para a vertente mais aggro do Boros, o Bully. Isso pode ser visto de maneira similar no dia 4, quando temos novamente o Burn como arquétipo mais presente, mas seguido do Boros Monarch dessa vez, e do Stompy em terceiro mais presente do evento. O campeão foi o Boros Monarch, que conforme já citado, não pode ser subestimado, e apresenta jogos muito equilibrados nas mãos de jogadores experientes. Neste evento já vemos alguns Trons no top 8, apesar da baixa presença. 

metanalysis-s01e09-Squadron

Confirmamos nossa primeira previsão do mês passado, o metagame realmente centrou-se mais nas vertentes aggro. E, conforme também previsto por nós, uma vez que o metagame caminha para o lado mais agressivo, os Trons acabam voltando com mais força. 

Na segunda semana, já vemos novamente uma infestação de Trons, chegando a ter quatro posições no dia 10 e o record de seis posições no dia 11. Foi também o arquétipo mais presente de ambos os dias, seguido do Boros Monarch, que chegou a ganhar o evento do dia 10. Um ponto preocupante é que, no dia 11, os quatro Trons que figuraram no top 4 usavam a carta Pyroblast em seu maindeck, que normalmente é utilizada nos sideboards. Quando isso acontece, uma “sirene” acende na Wizards, e perspectivas de banimentos começam a ficar mais claras.

Comentei já em artigos passados que o metagame não se sustenta em uma maioria de aggros por muito tempo. O que eu chamo de “amplitude máxima” é pequena. Essa amplitude nada mais é do que o tempo máximo em semanas que o metagame dura em um dado ponto de equilíbrio. Quando o metagame equilibra-se muito sob os aggros, esse tempo de resposta é rápido porque a resposta é mais intuitiva. Quando temos aggros, temos Trons com “fogs” para controlá-los. Temos também Boros Monarch que consegue controlar bastante os aggros menos lineares como o Elves e o Affinity. 

Como sempre digo, vale ressaltar que na primeira semana do mês, alguns dos jogadores que normalmente optam pelo Tron não estavam presentes no evento, ou não jogaram com o arquétipo. Já na segunda semana, vemos figuras como o Heisen01, Hampuse1 e A_AdeptoTerra, figurando com sua escolha convencional. É importante sempre ressaltar esse ponto para que sempre estejamos atentos ao fato de que o Tron é sim um arquétipo muito forte, mas seu manejo não é simples. Não é qualquer jogador que consegue fazer bons resultados com ele, que é o que já mostramos em praticamente em todos os nossos Metanalysis desse segundo semestre de 2020.


Segunda Quinzena de Outubro

No final da primeira quinzena do mês, tivemos o primeiro “breakpoint”. O metagame mudou drasticamente de aggro para control apesar de sempre termos mais escolhas de aggros do que de outros macrotipos na história do Pauper. 

metanalysis-s01e09-tower

O início da segunda quinzena começa como o fim da primeira, muitos Trons no evento do dia 17, sendo o arquétipo mais presente e ocupando quatro posições do top 8. O campeão do evento, entretanto, foi um UW Familiars. Aapesar de pessoalmente não concordar totalmente com essa opinião, culturalmente acredita-se que o arquétipo tem bons jogos contra Tron pelo fato de possuir um combo como uma das condições de vitória. 

metanalysis-s01e09-mask

No dia 18 já vemos novamente um metagame totalmente diferente. Apesar do Tron ter sido campeão, o arquétipo mais presente foi o Burn, que também ocupou o quinto lugar no top 8. Outros aggros como o GW Auras também apareceram entre os oito melhores, ocupando a segunda e terceira posição. Uma delas nas mãos do jogador Mathonical, que aparentemente abandonou de vez o MonoG Walls Combo e o W Tron. 

O segundo arquétipo mais presente foi o UB Faeries, que apesar da quantidade, conseguiu apenas uma posição no top 8, ficando em sexto lugar nas mãos do TopGrinder, que costumava jogar de UR Skred mas que aparentemente caiu no lado negro das fadas. 

Essa mudança brusca na escolha dos jogadores parece pouco intuitiva, já que normalmente o metagame focado em Trons demora mais para sair desse ponto de equilíbrio. Mas, quando vemos que a maioria dos jogadores de peso com esse arquétipo não estiveram inscritos no evento, podemos entender que foi uma mudança mais pela ausência de certos “jogadores chave”, do que pela escolha intuitiva dos jogadores em si. E isso se confirma na semana seguinte.

No dia 24 vemos novamente o metagame voltado para os Trons, e a volta dos jogadores de peso desse arquétipo como Calpine, mlovbo e Heisen01. Apesar disso, o campeão e segundo lugar do evento foram ambos Elves, que quando aparece, já vem ocupando as duas posições mais cobiçadas. 

O Tron foi o arquétipo mais presente do evento e contou com três cópias no top 8. O segundo mais presente foi novamente o Burn, e agora chegou a hora de falarmos um pouco mais do que citei anteriormente. 

metanalysis-s01e09-chain

Com uma grande quantidade de Trons e aggros, o Burn acaba sendo um regulador de metagame. Digo isso porque, apesar de não apresentar ótima performance e nem resultados consistentes, o arquétipo está sempre presente e impedindo que suas presas evoluam demais nos eventos. Por exemplo, um Burn qualquer pode terminar um evento com um resultado medíocre como 2-X. Mas essas duas vitórias podem ter sido as derrotas decisivas para dois Trons acabarem ficando fora dos melhores colocados. Isso faz com que os jogadores sempre precisem disponibilizar espaços no seu sideboard para lidar com o Burn.  E como sabemos que o sideboard tem espaço limitado, quando você se prepara contra um arquétipo, as ferramentas para outro ficam faltando.

É por isso que classifiquei o Burn nesse mês como regulador de metagame, uma vez que esteve bastante presente nos eventos mesmo com resultados não muito bons, obrigando os jogadores a se preparem contra ele, e minando as chances de arquétipos de tiers mais altos.

Voltando aos eventos, no dia 25 vemos novamente um metagame diferente. Podemos dizer que esse foi um segundo “breakpoint” do mês, uma vez que é um metagame bem diferente de todos os outros eventos anteriores no mês de outubro. 

Tivemos como campeão um UB Next Level Drops, seguido de um UB Faeries que também foi o arquétipo mais presente do evento. O segundo arquétipo mais presente foi o Burn, mantendo sua posição de regulador. 

Essa já é uma resposta de metagame mais intuitiva. Quando muitos Trons dominam um evento, os midranges azuis, que normalmente tem jogos ligeiramente mais favoráveis contra Tron, voltam ao topo. 

Não deixamos de ter Trons no top 8. Duas posições ocupadas em sétimo e oitavo lugar, além do famoso Stompy do SacradDevil em terceiro, e um Burn em quarto lugar. Um outro arquétipo que não costuma aparecer muito, o UR Blitz, também ficou entre os oito melhores, chegando ao sexto lugar nas mãos do brasileiro Amoras27.

metanalysis-s01e09-pest

Para finalizar, no último evento do mês, dia 31, vemos um campeão atípico também. Um BW Pestilence, nas mãos do jogador Arkam foi o primeiro lugar, seguido de um UB Faeries em segundo. Tivemos novamente dois Elves no top 8, um em sexto lugar nas mãos do CrilaPeoty, e outro em oitavo nas mãos do brasileiro HunterBR.  

O arquétipo mais presente do evento foi o Stompy, que também figurou em terceiro lugar no top 8 nas mãos do brasileiro Liv_One. O segundo mais presente foi o Elves, seguido do UB Faeries em terceiro lugar em presença. 

Nesse último evento, podemos ver uma tendência de retorno a um metagame mais aggro, ou o retorno de mais Trons na ausência de midranges azuis. No momento em que escrevo esse artigo já ocorreu o primeiro evento do mês de novembro, e apesar de deixarmos sua análise para o Metanalysis do mês que vem, já adianto que foi o Tron o primeiro lugar, e arquétipo mais presente no evento. 

Isso reforça o que citei anteriormente. Os metagames centrados em aggros não se sustentam por muito tempo.

Para finalizar, vamos a taxa de conversão dos arquétipos deste mês!

metanalysis-s01e09-%top

Conforme explicado no artigo do mês anterior, a taxa de conversão de tops é uma métrica que mede a performance de resultados em eventos de um arquétipo, frente a sua presença nestes eventos. Incluí nesta análise os três arquétipos mais presentes do mês, e o Elves que apresentou um expoente atípico.

Vemos que o Tron apresenta números alarmantes. Mesmo com quantidade muito superior ao arquétipo com melhor taxa de conversão desse mês, vemos um número que com certeza “aciona a sirene” na Wizards of the Coast e na equipe de balanceamento do formato (se é que ela realmente existe). Os 34% de conversão em top8 chamam realmente a atenção, e mesmo com as discrepâncias que vemos nos resultados entre os jogadores mais experientes de Tron e os menos experientes, é um número que com certeza pode representar um problema.

Tanto o Burn quanto o UB Faeries tiveram taxas bem similares com quantidades bem similares também, então não há muito que possa ser dito. Já o Elves mostrou um incremento assustador em seu resultado quando comparado a meses anteriores. Com taxas até superiores ao do gigante Tron, o Elves colocou 6 de suas 16 cópias no top 8, sendo um deles o campeão de um evento. Também são números muito bons, apesar da baixa presença.

De toda forma, tudo isso pode mudar. Com a entrada das novas cartas de Commander Legends no formato, as coisas caminham em direção a mudanças mais bruscas. O próprio Elves, por exemplo, deve sofrer inicialmente com a entrada da nova remoção em massa do vermelho. Vamos aguardar e ver os resultados nas próximas semanas!


Diferenças entre Setembro e Outubro

Começando pela presença, vemos um Tron percentualmente menos presente que o mês anterior. Em contrapartida, vemos o Boros Bully ganhando presença, provavelmente pelos bons resultados que teve no mês de setembro. Da mesma forma o Burn sob em presença, agindo, conforme dito, como o regulador do metagame. O UB Faeries, por outro lado, caiu bastante em presença, e não mostrou resultados muito consistentes neste mês.

Do ponto de vista da performance, vemos um Tron bem melhor que o mês anterior. É importante salientar que na análise de percentual de vitórias, qualquer variação de 5% pode significar muito, uma vez que a quantidade de jogos pode ser grande e uma variação de 5% pode significar até 15 vitórias a mais ou a menos do que o mês anterior. 

O Burn apresentou também uma melhora no seu desempenho. Mas isso atribuo a um fenômeno estatístico que chamamos de regressão a média. 

A média de resultados do Burn sempre fica em torno dos 47% e 48%. No mês anterior, atipicamente, seu percentual de vitórias caiu para 42%. Mas, a regressão à média nos diz que, quando a ocorrência de um evento apresenta uma variação muito brusca em relação a sua ocorrência média, seja para melhor ou para pior, temos uma chance alta de que, na próxima ocorrência, essa tenda novamente a valores da média, que foi o que aconteceu aqui com o Burn. Saindo de seus atípicos 42% e voltando a uma média de 48%.

O Boros Bully voltou a apresentar performance bem ruim. Caiu drasticamente em relação ao mês anterior e figurou entre os oito melhores pouquíssimas vezes nos eventos deste mês. De fato, um metagame mais aggro ou um metagame mais voltado a Trons como foi nesse mês, não são favoráveis para o Boros Bully.

Vamos agora às previsões para o próximo mês!


Previsões para Novembro

É difícil levantar uma previsão mais assertiva quando temos uma coleção nova a frente que promete balançar o formato. Mas, como a coleção só deve vigorar a partir da segunda quinzena do mês, vou tentar fazer uma previsão para pelo menos o seu início.

Como citei anteriormente, o evento do dia 1 de novembro já ocorreu e nele tivemos o retorno do Tron. Considerando que o comportamento do metagame é cíclico, grandes quedas precedem grandes subidas. E é exatamente o que podemos ver pelo gráfico do Tron. Seguida a sua queda do fim do mês de outubro, teremos um aumento que deve durar cerca de uma ou duas semanas. 

O Burn deve deixar de ser o regulador do formato como foi em outubro e deve dar espaço aos midranges azuis que provavelmente devem aparecer como forma de conter a ascensão do Tron. Isso também se confirma pelo gráfico do UB Faeries que mostra uma queda no último evento do mês, o que precede uma promessa de retomada quando o Tron passar a ter mais presença novamente.

Para finalizar, o Elves, que teve um aumento exponencial no último evento de outubro, deve voltar a mais um período de dormência. Pode ser que sua presença suba novamente em uma ou duas semanas a frente. Mas provavelmente será inibida novamente quando estivermos próximos do lançamento oficial de Commander Legends (já que teremos uma nova remoção em massa).


Homenagem

No fim deste mês de outubro/início de novembro, o meu amigo Fernando Portelada fechou as portas do Heavy Meta Podcast para um hiato por tempo indeterminado. Foram meses de parceria que, sem sombra de dúvidas, impulsionaram o meu trabalho como produtor de conteúdo. Trouxe também prosperidade, não só para o Mind Gears, mas para toda a comunidade Pauper nacional. O Heavy Meta é um dos maiores podcasts sobre Magic:The Gathering do Brasil, e o maior focado no formato Pauper.

É um pesar enorme perdermos esse conteúdo de extrema qualidade, mas entendo ser por uma causa mais que nobre do Fernando. Então, deixo aqui não só meus agradecimentos, mas o desejo de prosperidade no futuro. Nossa parceria recebe uma pausa mas a nossa amizade continua!

Toda a explicação pode ser encontrada nos portais do Heavy Meta Podcast, ou pode ser escutada aqui abaixo.


Conclusões

E aí, concorda com as análises? O mês outubro foi marcado pela briga entre aggros e Trons. Caminhou para um metagame mais orientado a aggros ao final, com promessas de novos Trons em novembro. Como será que o formato vai se comportar com a entrada de novos monarcas, remoções globais e todas as demais novidades que traz Commander Legends?

Todas as listas citadas estão nos links postados semanalmente na nossa página no Facebook, no nosso perfil no Instagram e no nosso perfil no twitter! Temos também um LinkBio atualizado semanalmente com os principais links postados nas nossas redes e nos nossos artigos. Comente com os amigos pois a sua propaganda é sem dúvida de suma importância para continuarmos trazendo artigos cada vez melhores para vocês!

Nos vemos no próximo artigo!

Até breve!


Fontes

[1] Dados retirados do Challenge Project.

[2] Wizards of the Coast Website – Commander Legends – Spoiler Completo – https://magic.wizards.com/pt-br/articles/archive/card-image-gallery/commander-legends

[3] /r/Pauper – Gavin AmA – https://www.reddit.com/r/Pauper/comments/jmwrhz/lets_bring_gavin_verhey_for_an_ama/


Álvaro França

Formado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal Fluminense, trabalha como cientista de dados no mercado de energia e joga Magic:The Gathering desde 1998, com ênfase no formato Pauper desde 2009. Aventurou-se em vários card games e demais jogos de estratégia durante a vida e acumulou largo conhecimento na teoria e prática desse tipo de jogo.

1 comentário

Metanalysis S01E10 - Novembro de 2020 - Mind Gears · dezembro 7, 2020 às 02:49

[…] mês de outubro vimos uma disputa constante e acirrada entre aggros e Trons pelas melhores colocações. Iniciamos […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *