Metanalysis S01E11 – Dezembro de 2020

Publicado por Álvaro França em

Metanalysis S01E11

Saudações jogadores!

Voltamos com o último Metanalysis de 2020! A nossa análise mensal do metagame dos eventos do Magic Online! E para finalizar o nosso ciclo anual, vamos analisar os dados do mês de dezembro e observar o desempenho dos arquétipos depois da entrada das cartas de Commander Legends!


Relembrando…

No mês de novembro vimos, de início, um  aumento no número de Trons e uma retomada de midranges azuis, disputando ainda boas posições com decks como Boros Bully e até GW Auras, que andava sumido. Da metade para o fim do mês, tivemos a entrada das novas cartas de Commander Legends no metagame, o que propiciou um movimento caótico inicial no formato, típico de épocas de grandes mudanças.

Vimos que a carta Fall from Favor passou a aparecer nas mais variadas listas, mas principalmente nos midranges azuis, o que a priori gerou desconforto nos jogadores e um olhar negativo sobre os seus impactos. Finalizamos o Metanalysis com a difícil tarefa de estimar o comportamento do metagame nas próximas semanas que seriam o início do mês de dezembro. Arriscamos, através dos dados, estimar que o metagame de cada evento oscilaria entre Trons e Midranges, com a presença constante de aggros, que funcionariam como fiscais do metagame. 

Vamos agora analisar se as nossas estimativas estavam certas para o metagame do mês de dezembro, e observar os impactos que Commander Legends trouxe para o formato, agora com tempo suficiente de adaptação.


Dezembro de 2020

Vamos iniciar pela análise dos números finais do mês de dezembro. Tivemos um total de 8 Challenges, 416 inscritos e 1212 jogos realizados!

NOTA: Devido a uma falha na captação dos dados, os resultados do evento do dia 13/12/2020 foram analisados considerando-se apenas o Top 32 do evento.

Metagame por quantidades – Dados provenientes do Challenge Project [1]

Iniciando pela análise do top 10 em presença (primeira tabela e primeiro gráfico), vemos já de cara que o Tron perdeu o posto de arquétipo mais presente do mês, como foi no mês anterior. Em seu lugar, o UR Skred, com quase duas vezes o número de cópias do Tron, liderou os 10 mais presentes. Além disso, apresentou um percentual de vitórias que, apesar de não ser dos melhores, é um número sólido para um arquétipo com essa presença.

Spellstutter Sprite - Magic: the Gathering MTG

 

Vemos também que o Affinity, apesar de em um número bem próximo ao do mês passado, subiu na colocação em presença e manteve-se firme, apesar do percentual de vitória ter deixado a desejar.

Por último, vale ressaltar o MonoG Walls Combo nessa lista. Para quem não lembra, este arquétipo sempre demonstra um bom percentual de vitórias, mas raramente demonstra uma boa presença. No mês passado, contou com apenas 9 cópias dentre os mais de 400 inscritos em todo mês. Nesse mês, já vemos uma mudança drástica em sua presença, com um aumento de 150%! Mas, esse comportamento não foi por acaso.

Annoyed Altisaur - Magic: the Gathering MTG

Dentre as cartas de Commander Legends que entraram no formato, duas marcaram presença nessa lista e a fizeram ganhar o expoente necessário para que fosse mais bem vista. São elas o Annoyed Altisaur e Boarding party. Através da habilidade Cascade, essas duas cartas turbinaram o Walls Combo, dando a ele uma kill condition alternativa que necessita de menos cliques no Magic Online e que coloca o Tron mais em xeque do que antes. Não todas, mas a maioria das aparições desse arquétipo no mês de dezembro, são da nova lista contendo as criaturas com Cascade. Veremos mais sobre ela adiante.

Analisando agora o top 10 em percentual de vitórias (segundo gráfico), vemos novamente algo que raramente acontece. Tivemos cinco arquétipos com percentual de vitórias igual ou superior a 55%, que é uma marca ótima para um formato tão diverso. Mesmo excluindo o W Tron (devido a baixa quantidade, apesar deste já ter mostrado eficácia em meses anteriores), temos arquétipos já conhecidos no formato, agora seguindo novas construções com as cartas de Commander Legends, mantendo ótimos resultados frente ao metagame.

Savage Swipe - Magic: the Gathering MTG

Temos como destaque o Stompy, que apesar de não ter sido o mais presente no mês, foi o maior percentual de vitórias junto ao UB Faeries. Veremos adiante que, apesar de não ter sido um divisor de águas no metagame, o Stompy aproveitou boas oportunidades, não se amedrontou com Fiery Cannonade e alcançou ótimas colocações, principalmente na segunda quinzena do mês.

Temos ainda os midranges azuis como o UB Faeries e o MonoU Delver (agora optando mais por listas sem Delver of Secrets, o que torna a classificação como MonoU Faeries mais fidedigna), que com a entrada de Fall from Favor acabaram por ganhar bastante espaço no metagame deste mês, e tiveram percentuais de vitória maiores do que os que vinham apresentando. Seria o novo encantamento Monarca um problema?

Por fim, claro, temos o Tron, mantendo seus bons resultados mesmo perdendo o posto de arquétipo mais presente. Acredito que, caso o metagame mantenha-se evoluindo na direção que está agora, o Tron perca cada vez mais espaço e os midranges azuis e os combos flexíveis como o MonoG Walls Combo passem a ter presença (como dezembro já vem mostrando).

É possível ver então que, no geral, o metagame caminhou para um ponto de estabilidade, e a selva que vimos no mês de novembro já foi dizimada. Com a forte incidência de midranges azuis, e aggros ganhando cada vez mais espaço, um metagame onde o Tron é o “deck to beat” passa a ficar cada vez mais distante.


Primeira Quinzena de Dezembro

Entrando agora no detalhamento de cada parcela do mês, vamos tentar entender como foi essa evolução de um metagame caótico para um metagame mais ordenado.

Conforme previmos, na primeira semana tivemos uma predominância entre aggros e o Tron. O arquétipo mais presente do evento foi o Affinity, seguido do Tron em segundo e o GW Auras em terceiro em presença, em um evento relativamente pequeno quando comparado com os demais que analisamos (38 inscritos). Contudo, o campeão do evento foi um MonoU Delver/Faeries, já utilizando de Fall From Favor como mecânica de card advantage. Além disso, o arquétipo consegue driblar Fall From Favor de oponentes utilizando cartas como Snap. Vale um destaque também para o Boros Bully que ficou em quarto lugar neste evento, com uma lista não convencional pilotada pelo jogador Kirblinxy, utilizando quatro Pyroblasts e quatro Fire Prophecys de MAIN DECK. Uma alternativa ousada para lidar com FFF.

Fora o campeão, tivemos três Trons e quatro aggros no top 8, mostrando que nossa previsão se concretizou. Sendo assim, é bem provável que a nossa segunda previsão se concretizasse e o evento seguinte seguisse para o movimento entre midranges e aggros, certo?

E foi isso que aconteceu. No dia seguinte, domingo dia 6, o metagame voltou-se para o ciclo de midranges e aggros. Sem nenhum Tron, o top 8 contou com quatro midranges azuis e quatro aggros, sendo dois Elves, um arquétipo que esperávamos que tivesse queda após a entrada de Fiery Cannonade, mas que mostrou que não tem medo. 

What's your favorite op card? : yugioh

O campeão do evento foi um UB Faeries, utilizando também Delver of Secrets, pilotado pelo brasileiro Alexandre Weber (_against_), em uma lista que utilizava apenas três cópias de cada carta. De acordo com o mesmo, de forma cômica, disse que a escolha de utilizar três cópias veio de uma saudade dos tempos em que jogava Yu-Gi-Oh! (haha).

Na semana seguinte, as coisas já começaram a fugir das nossas previsões. Devido ao grande número de midranges azuis na semana anterior, e também o uso massivo de Fall From Favor, o metagame concentrou-se nas escolhas aggros para combater o uso do Monarca nos midranges azuis, e fechamos um top 8 com cinco aggros. Vimos o Boros Bully mostrar as caras de novo em segundo (com o brasileiro Igor Coelho, o Alleyezonme), quarto e sétimo lugar. Além disso, tivemos também um Affinity, um Stompy, um UR SKred, um UB Teachings e, o campeão, MonoG Walls Combo. Nesse, a versão utilizada pelo campeão já utilizava das criaturas com Cascade citadas anteriormente. Apesar de duas cópias apenas em todo o evento, finalizou com duas posições no top 32, sendo uma a campeã. 

Vale ressaltar a presença do UB Teachings, pilotado pelo hadesblade. Um arquétipo que a bastante tempo não faz grandes resultados mas parece funcionar com este piloto! De qualquer forma, um top 8 variado, e nem sequer um Tron para contar história.

No dia seguinte, dia 13, voltamos ao ciclo do metagame onde midranges azuis e aggros dividem as melhores colocações. Novamente, nenhum Tron fez top 8, e tivemos a divisão de três midranges azuis, quatro aggros e um RG Cascade. Este é outro arquétipo que surgiu com as cartas de Commander Legends com cascade. Mas, ao contrário do MonoG Walls Combo, o foco dessa lista é o Land Destruction. Essa é na verdade uma variação da antiga MonoG Land Destruction, usando vermelho para Boarding Party e Fiery Cannonade, e algumas vezes usando azul para Mulldrifter. Só quem já vivenciou o peixe voador entrando no battlefield através do Cascade de um dinossauro  6/5 sabe como é desesperador. Esse é outro arquétipo que auxilia também a afugentar a presença do Tron.

No geral, conforme o metagame foi adaptando-se às novas cartas de Commander Legends, o espaço para os midranges azuis ficou cada vez maior, e o do Tron cada vez menor. Isso acabou por criar um vácuo preenchido normalmente pelos aggros mais rápidos como GW Auras e Stompy. Estes conseguem finalizar a partida antes que o card advantage dos midranges azuis seja expressivo, e na ausência fogs, não precisam se preocupar com estratégias elaboradas para contornar o Tron.


Segunda Quinzena de Dezembro

No evento do dia 19 tivemos novamente uma predominância de midranges azuis. Tivemos 5 destes no top 8, além de um aggro, e dois controls, sendo um Tron e um UB Teachings, pilotado novamente pelo hadesblade. Um dos aggros foi um Stompy, que ficou em segundo lugar apesar de ter apenas duas cópias dentre os 41 inscritos. Como disse ao início do artigo, o Stompy não foi um grande fiscal do metagame neste mês, mas aproveitou bem das oportunidades para alcançar boas posições. Em praticamente todos os eventos do mês, tivemos pelo menos um Stompy no top 8. Parece que Fiery Cannonade ralmente não os amedrontou, e a possibilidade de contornar Fall from Favor com Quirion Ranger o torna ainda mais forte. 

Fall from Favor - Magic: the Gathering MTG

No mais, não há mais muito a dizer sobre este evento. A carta Fall from Favor de fato remodelou o metagame e criou uma grande aderência aos midranges azuis, que andavam meio amedrontados.

Em contrapartida, no dia seguinte, tivemos um evento bem mais diverso com um top 8 bem diferente dos que vimos até o momento. Apesar do campeão e também arquétipo mais presente do evento ter sido o UR Skred, contamos ainda com um Burn, um Stompy, um W Tron, um MonoG Land Destruction, um BW Pestilence, um MonoG Walls Combo e um segundo UR Skred.

No total, tivemos dois aggros, um control, um combo e quatro midranges. Muito provavelmente, a alta no UR SKred foi motivada pelo resultado do evento anterior, que teve também um UR Skred como campeão e arquétipo mais presente do evento. Mas exceto isso, a construção do evento em si foi bem variada e diferente do evento anterior. Tivemos como segundo lugar em presença o GW Auras, seguido do Burn e, somente em quarto, o Tron, que nem chegou a fazer parte do top 8. Novamente seguimos o direcional de midranges e aggros como delimitadores do meta, e novamente o Stompy apareceu no top 8, aproveitando a oportunidade. 

Vale ressaltar também que o W Tron que fez top 8 foi pilotado pelo Mathonical, jogador que é conhecido por usar essa lista de tempos em tempos. O arquétipo fica tempos dormente no metagame, mas quando aparece, é nas mãos do Mathonical.

Overgrown Battlement - Magic: the Gathering MTG

Na semana seguinte, dia 26, tivemos como campeão novamente um MonoG Walls Combo, já em sua nova forma com as criaturas com Cascade, e um UR Skred em segundo lugar. Tivemos ainda mais duas cópias de UR Skred no top 8, em sexto e oitavo lugar, além de ter sido o arquétipo mais presente do evento. Na realidade, UR Skred foi o arquétipo mais presente em cinco eventos seguidos, desde o evento do dia 13. Este é um efeito que vimos anteriormente apenas com o Tron. Falaremos mais a respeito disso adiante neste artigo.

Tivemos ainda mais dois midranges azuis, um aggro e um control no top 8. O aggro, novamente, foi o Stompy, que conforme citamos, aproveitou-se bastante do movimento de midranges no metagame para conseguir boas posições. O control por sua vez foi um Tron, pilotado pelo Hampuse1, jogador já famoso por essa escolha. Uma das raras aparições em top 8 do arquétipo neste mês. Este foi também o terceiro arquétipo mais presente no evento, logo atrás do MonoG Walls Combo, que parece ter cativado bastante a atenção dos jogadores.

No geral, o metagame deste evento não sofreu uma movimentação muito embasada pelos eventos anteriores. A escolha dos jogadores pareceu muito mais embasada única e exclusivamente no potencial que os midranges azuis com Fall from Favor tem apresentado. De fato, com um match bem equilibrado contra a maioria dos outros arquétipos do metagame, sofrendo mais para arquétipos que estão em baixa como Stompy, Boros Bully e etc, o UR Skred parece uma ótima escolha de fato.

Urza's Art School | MAGIC: THE GATHERING

No evento seguinte, dia 27, podemos ver a única vitória do Tron neste mês. Apesar de não ter estado nem no top 4 em presença no evento, conseguiu sentar no trono de campeão. Em contrapartida, o Burn, segundo lugar em presença no evento (atrás apenas do UR Skred), só foi ver uma de suas cópias no top 16, bastante influenciada pela grande quantidade. Isso de fato não é uma novidade, já que o Burn historicamente apresenta resultados medíocres.

Diferente do evento anterior, este evento teve uma boa influência dos eventos passados. Vemos, no top 8, três das quatro cópias de Stompy do evento, em quinto, sexto e sétimo lugar. Um deles, o do quinto lugar, foi pilotado pelo SacredDevil, atualmente o jogador com melhor aproveitamento de Stompy nos eventos do Magic Online. Novamente o Stompy aproveitando da predominância dos midranges azuis para chegar às melhores posições. 

Além disso tivemos ainda um W Tron (Mathonical novamente), dois UR Skreds e um BW Pestilence pilotado por nada menos que o brasileiro Amoras27, considerado também um dos melhores jogadores com esse arquétipo.  

Dessa vez o MonoG Walls Combo, apesar de terceiro em presença no evento, também não conseguiu grandes resultados.

No geral vimos um mês muito influenciado por midranges azuis, principalmente pela entrada de Fall from Favor no formato, que acabou dando um reforço de peso para esse tipo de arquétipo. Ao início, pareceu que a carta colaborou para a diversidade do formato, uma vez que arquétipos que antes ficavam bem escondidos como o GW Auras, o Affinity, e até novos arquétipos como o RG Cascade e o The Rock, passaram a aparecer com mais frequência e ter mais espaço.

Mas, em segundo momento, analisando um mês de dados, parece que houve uma polarização no formato. Muitos dos eventos do mês tiveram como campeão um midrange azul, além de várias outras cópias no top 8 e a forte presença no evento como um todo. O vácuo gerado acaba sendo preenchido majoritariamente por aggros que, no geral, ainda precisam se preocupar com Fiery Cannonade.

Todos esses fatores acabam concretizando um metagame com pouca elasticidade, onde os resultados dos eventos acabam não influenciando muito nas decisões dos jogadores, uma vez que sempre parece que pilotar um midrange azul é a melhor escolha. Como consequência vemos um metagame que não evolui e sequer se movimenta muito, o que não parece saudável. Claro que, os resultados do Challenge são uma bolha dentro da bolha que é o Pauper. Isso significa que é um nicho muito específico para ser tomado como via de regra. Os eventos independentes que ocorrem aqui no Brasil, por exemplo, tem metagames muito diferentes do Challenge, e não são menos competitivos por isso.

Mas, como a Wizards of the Coast utiliza apenas os dados dos eventos oficiais do Magic Online como parâmetro de análise de saúde do formato, é bem provável que um banimento de Fall from Favor ocorra em breve, visto o histórico que já presenciamos. Os banimentos nunca são a minha primeira alternativa como jogador, sempre prefiro que novas cartas entrem o formato para combater o que hoje pode ser uma ameaça. Mas, como sabemos, a Wizards não busca desenvolver cartas para o formato Pauper pensando nessas questões, então, um banimento é muito mais provável.

É algo que eu gostaria que ocorresse? Não. Mas, eu ficaria chateado caso ocorresse? Provavelmente não. De fato, hoje, nenhum dos arquétipos que utilizam Fall from Favor deixariam de existir ou ficariam incapacitados de competir caso a carta não existisse mais no formato, então pode não ser uma alternativa de toda ruim. Deve-se ter em mente apenas que, uma vez banida FFF, muito provavelmente veríamos um retorno forte do Tron, e muitos desses arquétipos aggros que tem aparecido ultimamente voltariam a desaparecer.

Finalmente, vamos as taxas de conversão dos arquétipos de destaque no mês!

Diferente do mês passado em que tivemos o Boros Monarch como arquétipo com maior aproveitamento em top 8s, neste mês vemos, claro, o UR Skred nesse posto. 

Isso dispensa comentário, todos os motivadores do bom aproveitamento do UR Skred já foram discutidos anteriormente nesse artigo.

Seu aproveitamento em top 1s também não foi o pior, ganhando dois dos oito eventos do mês.

Em segundo lugar, vemos o Tron, carregando 17% de sua presença para o top 8. Esse de fato não foi um bom mês para o Tron, apesar de ter um bom aproveitamento. Em situações normais, veríamos mais de 20% das listas de Tron ocupando os top 8s, mas parece que a sua era findou-se. Até seu percentual de top 1s foi baixo no mês, perdendo apenas para o Burn.

O MonoG Walls Combo, com sua nova lista, levou 13% das suas para o top 8, e ganhou dois dos oito eventos do mês, assim como o UR Skred, consagrando o maior percentual de top 1s do mês.

Pra finalizar, o Burn, mesmo em grande quantidade, teve um péssimo aproveitamento. Acho que, depois de um ano de análises de metagame, podemos consagrar o Burn como um dos arquétipos com pior aproveitamento, sempre aparecendo em grandes números mas raramente fazendo resultados expressivos.


Diferenças entre Novembro e Dezembro

Analisando as diferenças entre os meses de novembro e dezembro, vemos poucas mudanças realmente significativas.

Iniciando pelo UR Skred, arquétipo mais presente do mês, vemos que apesar do aumento marginal em seu percentual de presença, seu percentual de vitórias caiu muito. Isso pode ser reflexo de mais jogadores optando por pilotar o arquétipo, mas não tendo domínio sobre ele, ou apenas um reflexo da alta quantidade por si só. 

Temos ainda o UB Faeries, que apesar de não ter crescido percentualmente em presença, teve um aumento considerável em seu percentual de vitórias. Dentre todos os midranges azuis, do ponto de vista de percentual de vitórias, o UB Faeries foi o com melhor aproveitamento, consagrando um arquétipo que, até alguns meses atrás, era considerado uma variação mais fraca de outro arquétipo.

Podemos ver que o Affinity, apesar de ter se mantido em presença acabou por sofrer uma redução em suas vitórias neste mês. Esse pode ser o efeito de regressão a média em ação. Já comentamos esse efeito anteriormente em nossos artigos, mas apenas para relembrar, a regressão a média dita que em condições similares, sempre que um indivíduo ou fator demonstrar-se muito melhor ou muito pior do que a sua média, a tendência é que, ao longo do tempo, seu desempenho volte a valores próximos a média. O Affinity é um arquétipo poderoso, mas todos sabemos que sideboards não faltam para listar com ele. Então, de fato, talvez o seu percentual de vitórias do mês anterior fosse um ponto fora da curva.

O MonoU Delver/Faeries foi o arquétipo que mais valorizou neste mês. Mas, levando em consideração a vantagem de ser um midrange azul monocolor, e a entrada de FFF no formado, não esperávamos menos. Assim, esse resultado certamente foi fortemente influenciado pelas novas construções da lista que surgiram neste mês e que no mês anterior ainda não eram tão comuns.

Para finalizar, o Stompy, como falamos anteriormente, aproveitou-se bem da predominância de midranges azuis e fez bons resultados durante o mês.  Mesmo com uma presença similar ao mês anterior, conseguiu ter um desempenho melhor, mostrando que enquanto houver midranges azuis, haverá um Stompy no top 8. Este é um arquétipo que, confesso, esperava que tivesse um desempenho pior depois da entrada de Fiery Cannonade no formato (que ainda é uma ameaça forte), e que acabou me surpreendendo.


Previsões para Janeiro

Devido aos resultados desse mês, uma conclusão em como o metagame deve se comportar no mês seguinte torna-se extremamente complicada. Mas vamos tentar de uma forma um pouco mais ilustrativa.

Imaginem que o metagame é uma caixa, sendo empurrada por quatro grupo de indivíduos. Cada grupo representa um macrotipo do jogo (aggro, control, midrange, combo). Sempre que um grupo tiver mais força que os demais, a caixa vai ser empurrada em uma determinada direção, até que este grupo perca forças ou outros grupos ganhem mais força. E assim, essa caixa que chamamos de metagame é empurrada em várias direções diferentes com o passar do tempo, caminhando em direções diversas e nem sempre favoráveis.

Nesse momento, o grupo dos midranges azuis está bem mais forte que os demais, então nossa caixa metagame só é empurrada em uma direção. Os demais grupos não conseguem força o suficiente.

Pelos gráficos, vemos que o Stompy oscila em presença aproveitando-se sempre que pode, mas não cria uma força contrária aos midranges grande o suficiente. O Tron também parece estar sem forças e não tem demonstrado resultados muito relevantes. O UR Skred por sua vez já apresenta um aumento exponencial que não possui aparente motivos para regredir. Temos como única esperança o MonoG Walls Combo, que segue em alta a cada semana que passa e deve crescer mais ainda no mês que vem, e acaba sendo um oponente de peso para o UR Skred. Utilizando as criaturas com Cascade e ainda tendo acesso ao combo, esse baralho acaba quebrando a dinâmica da estratégia Tempo do UR Skred e consegue contornar as counters. 

Assim, podemos esperar um mês ainda bem centrado em midranges azuis, principalmente no UR Skred, com boas aparições do MonoG Walls Combo e possíveis resultados de alguns aggros como Stompy e Elves que conseguem tomar proveito desse metagame mais focado nas estratégias Tempo.


Conclusões

Parece que FFF realmente virou um problema que tende a crescer num efeito bola de neve! Seria essa uma situação similar à época do UB Drops? Deixem suas opiniões nos comentários!

Derrubando Gigantes #1 – UB Two Drops (UBxd / UB Delver) Parte 1. –  Brainstorm Mtg

Todas as listas citadas estão nos links postados semanalmente na nossa página no Facebook, no nosso perfil no Instagram e no nosso perfil no twitter! Temos também um LinkBio atualizado semanalmente com os principais links postados nas nossas redes e nos nossos artigos. Comente com os amigos pois a sua propaganda é sem dúvida de suma importância para continuarmos trazendo artigos cada vez melhores para vocês!

Nos vemos no próximo artigo!

Até breve!


Fontes

[1] Dados retirados do Challenge Project.


Álvaro França

Formado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal Fluminense, trabalha como cientista de dados no mercado de energia e joga Magic:The Gathering desde 1998, com ênfase no formato Pauper desde 2009. Aventurou-se em vários card games e demais jogos de estratégia durante a vida e acumulou largo conhecimento na teoria e prática desse tipo de jogo.

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *