Metanalysis S02E01 – Janeiro de 2021

Publicado por Álvaro França em

Metanalysis S02E01

Saudações jogadores!

Estamos de volta com o Metanalysis! A nossa análise mensal do metagame dos eventos do Magic Online! Vamos dar início a segunda temporada de análises, começando pelo mês de janeiro de 2021!


Previously on Metanalysis…

O ano passado foi repleto de reviravoltas no formato Pauper. Tivemos desde banimentos e lançamentos de novas cartas relevantes para o formato, a downgrade de cartas de impacto. Tivemos altos como o downgrade de Fiery Cannonade e Cast Down, e baixos como a instabilidade criada no formato pela inclusão de Fall from Favor. Mas, o jogo continua, o metagame é como um ecossistema, constantemente em evolução. E seguindo essa evolução vamos dar início a uma nova série de análises!

Ano novo, cara nova! Vamos tentar uma abordagem mais sucinta do Metanalysis para uma leitura mais suave, iniciando agora!


Janeiro de 2021

Vamos começar com o resumo do metagame do mês. Foram 11 eventos (10 challenges e 1 Super Qualifier), totalizando mais de 822 inscritos, e mais de 2457 jogos! 

Tivemos um número de eventos e de jogos maior, principalmente devido ao Super Qualifier ocorrido no dia 23 de janeiro, que contou com 266 inscritos!

NOTA: Devido a um problema na coleta dos dados, os resultados dos Challenges dos dias 10 e 24 de janeiro foram analisados considerando-se apenas seus respectivos top 32.

metanalysis-s02e01-table
metanalysis-s02e01-graf-qtd
metanalysis-s02e01-winrate

Metagame por quantidades – Dados provenientes do Challenge Project [1]

Do ponto de vista dos 10 mais presentes no metagame de janeiro, vemos o Tron retomar o trono de mais presente após a queda de Fall from Favor. Em segundo lugar vemos o RG Cascade/Land Destruction, lista que vem ganhando fama desde o lançamento de Commander Legends, mas que subiu atipicamente em procura neste mês. Mas, para isso, temos uma clara explicação.

No dia 23 de janeiro, conforme mencionado anteriormente, tivemos a realização do Pauper Super Qualifier, que contou com 266 inscritos. Esse é o equivalente a, aproximadamente, 5 Challenges convencionais que ocorrem aos finais de semana. 

O campeão foi um BW Pestilence, pilotado pelo brasileiro Pedro Paulo (PyotrPavel). A quem interessar, realizei uma entrevista com o campeão, postada no portal Cards Realm (possui versões em inglês e espanhol), onde ele conta com detalhes como foi a sua participação no evento.

A grande questão aqui é que, por ser um evento de grande porte, dando vaga para participação no Kaldheim Championoship, muitos dos jogadores eram competidores naturais de outros formatos. Estes, normalmente, avaliam o Pauper como ouvintes da nossa comunidade, e assim, havia uma grande expectativa de que o Tron fosse o “deck to beat” do evento. E esta não era uma afirmação totalmente errônea, já que o Tron foi o segundo arquétipo mais presente no evento. Assim, muitos jogadores optaram por pilotar o RG Cascade/Land Destruction, já que esse é um predador clássico do Tron. Isso fez com que os números desse arquétipo disparassem, mesmo não tendo uma grande performance. Cerca de 50% desse arquétipo neste mês vieram deste evento. O mesmo vale para o Tron, que teve cerca de ⅓ de seu total do mês apenas nesse evento. 

Caso este evento não ocorresse, o Tron ainda seria o arquétipo mais presente do formato, mas o segundo mais presente seria o UR Skred, seguido do Stompy e do UB Faeries.

Prosseguindo a análise, vemos o UR Skred em terceiro lugar de presença, seguido do UB Faeries e do Stompy. Este último, diferente de alguns meses anteriores, não apresentou grande papel de fiscalização nesse metagame. Apesar de alguns aggros terem “escorregado” para bons resultados nesse mês, como é o caso do Elves e do MonoW Heroic, e até do Goblins que apareceu no top 8 do último evento do mês, a grande disputa foi entre os midranges azuis e o Tron. 

Resultado de imagem para ninja of the deep hours

Assim, apesar disso mostrar uma estabilidade no metagame, não parece um bom sinal. Normalmente, um metagame polarizado é mal sinal para a saúde do formato, o que pode acarretar em eventuais banimentos. O banimento de Fall from Favor foi crucial para estabilizar o formato, mas aparentemente não foi o suficiente para reduzir a potência dos midranges azuis. Eu particularmente tenho jogado algumas ligas e tenho enfrentado vários midranges azuis, apesar de poucos Trons. 

Será esse um prelúdio para um novo banimento? Vale ressaltar que, apesar dessa aparente polarização, o Super Qualifier apresentou um metagame bem diversificado e mais variado que os convencionais Challenges. Dessa forma, seria isso devido a participação de jogadores de outros formatos? Se sim, estaria o formato supostamente polarizado pela constância dos mesmos jogadores nos eventos? Isso explicaria não só o porquê o Super Qualifier apresentou diferenças, mas também o porquê os grandes eventos físicos também são consideravelmente diferentes em questão de metagame. Mas isso é assunto para um próximo artigo!

Resultado de imagem para polos magneticos

Olhando agora do ponto de vista dos 10 com melhor percentual de vitórias, vemos que o melhor aproveitamento do mês ficou com o UB Faeries, seguido do UB Delver, por sua vez empatado com o UR Skred e o Tron. Analisando apenas esses números já podemos inferir que o metagame aparenta polarização entre esses quatro arquétipos. O MonoU Delver/Faeries também não fica atrás. Apesar de ter um aproveitamento ligeiramente inferior, ainda é bom  o suficiente para estar à frente dos demais arquétipos não citados.

Aparentemente o grande vilão do Tron, o MonoG Walls Combo, agora em sua versão Cascade, não teve bons resultados nesse mês, e sequer conseguiu ficar entre os 10 com melhor aproveitamento. A expectativa desse arquétipo mitigar o impacto dos Trons acaba indo por água abaixo neste mês.

metanalysis-s02e01-qtd-arch

Como comentário final nessa parte, gostaria de salientar que a quantidade de aggros presentes nesse mês foi avassaladora. Chegou a ser quase igual a quantidade de todos os outros macroarquétipos presentes. Mesmo assim, poucos aggros alcançaram as melhores colocações, o que reafirma que o metagame não parece balanceado no momento. Com tantos aggros presentes, é no mínimo estranho que os melhores arquétipos do mês sejam apenas midranges e controls.


Taxa de Conversão de Tops

metanalysis-s02e01-tops

Podemos ver através dos números que neste mês o arquétipo com maior aproveitamento em top 8’s foi o UB Faeries, seguido do Tron. Ambos esperados pelo que já comentamos no tópico anterior. A disputa entre midranges azuis e Trons foi intensa, e a realização do Super Qualifier acabou apenas por potencializar isso.

Em último lugar vemos o RG Cascade/Land Destruction, com o pior aproveitamento do mês. Com apenas 3 top 8’s e nenhum top 1 das 76 cópias presentes no mês, o arquétipo se mostrou famoso mas com baixo potencial no metagame atual. Apesar de ser um forte concorrente para o Tron, acaba tendo jogos muito difíceis contra os midranges azuis, principalmente o UB Faeries e Delver, que tem acesso a Snuff Out, que com a inclusão das recentes dual lands de Kaldheim (Ice Tunnel) no fim de janeiro, ficou ainda mais forte. Assunto para o Metanalysis do mês que vem!

Resultado de imagem para Pestilence mtg full art

Por último, coloquei o BW Pestilence, mesmo não tendo sido um dos melhores aproveitamentos do mês. Além da vitória no Super Qualifier, o arquétipo ainda conseguiu alcançar mais 4 posições em top 8 neste mês. Chegou a ter um aproveitamento até melhor que o supracitado RG Cascade/Land Destruction. É um arquétipo muito forte nesse metagame, tem jogos até favoráveis contra UB Faeries e UR Skred, e jogos muito equilibrados contra UB Delver. Apesar disso, continua tendo um match complicado contra Tron, principalmente em sua versão com mais criaturas. É um arquétipo a se manter atenção, pode ser uma boa opção caso o Tron venha a ser convidado a se retirar do formato.


Previsões para Fevereiro

Sabendo que o metagame é cíclico, vamos tentar prever o comportamento do início de fevereiro.

Pelos gráficos podemos ver que o RG Cascade tem uma alta frequência de mudança. Isto é, seus números variam com bastante facilidade. Assim, podemos considerar que nos primeiros eventos de fevereiro este arquétipo deve cair em quantidade e logo subir novamente.

O Tron tem uma frequência de mudança baixa. Podemos ver isso através da sua linha de tendência que, apesar de oscilar, tende a ter um comportamento bem “horizontal”. Assim, o Tron deve voltar as paradas em breve, provavelmente alternando com os RG Cascade.

Os Stompys e UB Faeries tem frequências de mudança mais próximas do RG Cascade do que do Tron, e parecem alternar entre si. Parte disso pode ser uma tentativa de aproveitar um metagame muito centrado em midranges, e parte pode ser devido a jogadores que tipicamente jogam com um desses arquétipos e alternam para o outro quando observam um metagame mais favorável a este. Assim, o Stompy deve cair em presença nos primeiros eventos, enquanto o UB Faeries sobe.

Por fim o UR Skred, apesar de ser um arquétipo muito forte, tem caído em procura, motivado principalmente pelo fato do UB Faeries ser um arquétipo similar, mas com melhores remoções no momento. Assim, o mesmo deve oscilar entre altos e baixos, mas deve buscar apenas poucos bons resultados no próximo mês.


Conclusões

Um metagame aparentemente polarizado com poucas aberturas. Potenciais midranges utilizando Cascade como mecânica principal surgem todos os dias, mas ainda não parecem fazer frente aos titãs do formato. Será que teremos mais um banimento em breve?

Todas as listas citadas estão nos links postados semanalmente na nossa página no Facebook, no nosso perfil no Instagram e no nosso perfil no twitter! Temos também um LinkBio atualizado semanalmente com os principais links postados nas nossas redes e nos nossos artigos. Comente com os amigos pois a sua propaganda é sem dúvida de suma importância para continuarmos trazendo artigos cada vez melhores para vocês!

Nos vemos no próximo artigo!

Até breve!


Fontes

[1] Dados retirados do Challenge Project.


Álvaro França

Formado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal Fluminense, trabalha como cientista de dados no mercado de energia e joga Magic:The Gathering desde 1998, com ênfase no formato Pauper desde 2009. Aventurou-se em vários card games e demais jogos de estratégia durante a vida e acumulou largo conhecimento na teoria e prática desse tipo de jogo.

1 comentário

What if...? - Mind Gears · fevereiro 11, 2021 às 15:43

[…] essa atualização, de fato, contemplará também o formato Pauper, mas visto o que discutimos no Metanalysis desse mês a respeito da aparente polarização que o formato Pauper tem mostrado, podemos especular que algo […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *