Metanalysis S02E02 – Fevereiro de 2021

Publicado por Álvaro França em

Metanalysis S02E02

Saudações jogadores!

Retornamos com o Metanalysis! A nossa análise mensal do metagame dos eventos do Magic Online! Dando seguimento a segunda temporada de análises, vamos analisar o mês de fevereiro de 2021!


Previously on Metanalysis…

No mês passado, vimos um metagame bastante polarizado, com uma predominância clara de midranges azuis e Trons. Havia poucas aberturas, e aparentava ser um metagame típico de períodos pré banimentos. Vimos ainda o surgimento de midranges utilizando as cartas com Cascade, que mostraram potencial mas ficaram tímidos frente a dominância dos demais arquétipos do mês de janeiro.

Finalizamos o artigo passado com previsões de alternância entre Trons, UB Faeries e RG Cascade no início do mês, e com possibilidades de resultados também para UR Skred e Stompy. 

Vamos agora averiguar se nossas previsões foram corretas e analisar o desenvolvimento do metagame desse último mês.


Fevereiro de 2021

Vamos iniciar com o resumo do metagame do mês. Tivemos um total de 8 eventos, totalizando 459 inscritos e 1336 jogos! 

Antes de iniciarmos a leitura dos dados em si, é importante avaliarmos alguns eventos que aconteceram nesse mês. Um evento em específico foi o anúncio de atualização na Banned & Restricted List.

No artigo anterior, vimos que o metagame aparentava polarização e que midranges azuis e Trons pareciam dominar o formato sem dar muitas brechas para a aparição de novos arquétipos. Então, no dia 10 de fevereiro, tivemos o spoiler das cartas do próximo Secret Lair que será vendido, e junto ao anúncio havia uma nota da Wizards of the Coast, dizendo que pretendiam, em breve, banir Uro, Titan of Nature’s Wrath de alguns formatos, e que estavam ainda trabalhando em um anúncio “maior” de atualização da B&R List.

metanalysis-s02e02-ban

Anúncio da Wizards of the Coast sobre Banimentos – Anúncio Secret Lair [2]

Isso gerou algumas especulações entre os jogadores do formato Pauper, de que era possível que o formato também fosse afetado nessa revisão. Chegamos a escrever um artigo levantando possibilidades de banimentos no formato e os respectivos impactos. Você pode conferir esse artigo clicando aqui.

Mas, no dia 15, tivemos a esperada atualização da B&R List [3], e para a surpresa (ou não) de todos, o Pauper não foi contemplado. Na verdade, o formato sequer foi mencionado no anúncio. Seguimos assim com o formato sem alterações, com possibilidades maiores de concretizar nossas previsões. Contudo, não sabemos se a decisão de não afetar o formato Pauper foi embasada em uma expectativa de que o metagame ainda poderia estar se adaptando às mudanças após o banimento de Fall from Favor, ou se de fato não parecia, aos olhos da empresa, que o formato necessitava de mudanças agora. É o que descobriremos a seguir!

metanalysis-s02e02-table1
metanalysis-s02e02-graph1
metanalysis-s02e02-graph2

Metagame por quantidades – Dados provenientes do Challenge Project [1]

Começando nossa análise pelo top 10 em presença nos eventos do mês (primeira tabela e primeiro gráfico), vemos poucas mudanças na concentração  dos arquétipos. Os três primeiros deste mês são os mesmos do mês passado. Tiveram quantidades diferentes mas ocuparam as mesmas parcelas do metagame que haviam ocupado em janeiro. Ou seja, mesmo sem um Super Qualifier neste mês como foi no mês anterior, pouco da presença no metagame mudou. 

Annoyed Altisaur - Magic: the Gathering MTG

Como arquétipo mais jogado vemos novamente o Tron, batalhando para manter o seu trono. O segundo lugar, com apenas três cópias de diferença, ficou com o RG Cascade. Após mostrar-se com menos timidez no mês anterior, este arquétipo acabou ganhando espaço na escolha dos jogadores. Apesar disso, o mesmo que ocorreu em janeiro ocorreu também neste mês. Mesmo conseguindo bons resultados e até ganhando o evento do dia 7 de fevereiro, seu percentual de vitórias não foi tão satisfatório quanto o dos demais arquétipos. Isso nos faz refletir se seu bom posicionamento nos resultados pode ter sido motivado mais pelas grandes quantidades, e menos pela sua qualidade frente ao metagame em si.

Em terceiro lugar, vemos novamente o UR Skred, mantendo o posto mas perdendo aproveitamento quando comparado com o mês anterior. Mesmo em menor quantidade, o UB Faeries continua sendo uma opção de midrange azul melhor do que o UR Skred nesse metagame mais variado. 

Squadron Hawk - Magic: the Gathering MTG

As grandes surpresas foram o Cycle Storm, o Elves e o Boros Bully. Esse último conseguiu se encaixar muito bem nesse metagame, mesmo tendo matchs desfavoráveis contra a maioria dos midranges que usam a mecânica Cascade. Ele conseguiu até ocupar quatro das oito posições do top 8 no evento do dia 21 de fevereiro. Chegou ainda a ser o campeão de três eventos seguidos, nos dias 13, 14 e 20 de fevereiro, nas mãos do mesmo jogador, o Mogged. Uma façanha que não víamos desde que o brasileiro Hamuda ganhou dois Challenges no mesmo final de semana, pilotando um Jeskai Affinity.

Reaping the Graves - Magic: the Gathering MTG

O Cycle Storm também, após ter sido despertado no Super Qualifier, acabou tomando uma boa parcela do metagame. Até mesmo nas Pauper Leagues este arquétipo teve mais presença, mesmo com um aproveitamento não muito bom. 

Como podemos ver, no geral, tivemos concentrações bem parecidas com o mês anterior. Contudo, houveram diferenças muito relevantes nos resultados dos eventos. Diferente do mês anterior, no qual vimos uma forte alternância entre midranges azuis e Tron (salvo o Super Qualifier), neste mês tivemos resultados muito variados, com uma forte presença de aggros nas melhores colocações. Metade dos eventos do mês foram ganhos por arquétipos desse tipo, além de ter ainda várias posições de top 8 ocupadas pelos mesmos. Acredito, inclusive, que a presença em peso do Boros Bully nos eventos fez com que os jogadores revissem suas opções e acabassem por optar por arquétipos fora do top 3 em presença.

Priest of Titania - Magic: the Gathering MTG

Analisando agora do ponto de vista de percentuais de vitória (segundo gráfico), temos o Boros Bully como o arquétipo com melhor aproveitamento do mês, seguido do Elves e do UB Faeries. O Elves em específico também passou por um bom momento neste mês. Mesmo nas Pauper Leagues, o arquétipo que, devido a entrada de Fiery Cannonade, todos acreditavam que estaria morto, mostrou que seu potencial ainda é grande. Principalmente em um metagame onde os decks com melhor aproveitamento não utilizam do famigerado board wipe. Esse também pode ter sido um forte motivador para o sucesso do Boros Bully.

Vale ressaltar também que o Burn teve um aproveitamento bem melhor nesse mês. O arquétipo que, no geral, tem percentuais de vitória abaixo de 50%, neste mês teve 51%. Acredito que um metagame mais aggro possa dar mais chances para o Burn, sem as preocupações com Weather the Storm e Pulse of Murasa

O mês parece ter sido dos aggros, mesmo o Boros Bully tendo o comportamento de midrange em algum jogos. Para ilustrar isso, vamos ver a concentração dos macrotipos em cada quinzena do mês.

metanalysis-s02e02-table2

Vemos que, apesar do aumento de midranges na segunda quinzena, a predominância de aggros ainda permaneceu. Na verdade, isso não é muita surpresa, visto que no mês anterior, mesmo com um metagame aparentemente polarizado, os aggros ainda eram predominantes. O Pauper em si, como formato, é agressivo, e seus aggros são bem fortes. A questão é que os nossos midranges também são muito bons, e as situações de controle perpétuo ou semi perpétuo não são incomuns, como Ghostly Flicker + Stonehorn Dignitary, Mnemonic Wall + Pulse of Murasa, Kor Skyfisher + Omen of the Dead e etc. Isso acaba inibindo os aggros em alguns meses, mas não se enganem, os aggros do nosso formato são muito fortes e, basta um deslize ou um bom banimento, para que eles mostrem essa potência, como aconteceu nesse mês.

No geral, nossas previsões do artigo anterior foram bem assertivas. Apostamos em uma retomada do Tron nos primeiros eventos, alternando sempre com o RG Cascade, que de fato ocorreu na primeira quinzena do mês. Além disso, apostamos também em uma queda do Stompy e um aumento do UB faeries do início do mês, que também ocorreu! Por último, levantamos o fato de que o UR Skred ainda é um arquétipo potente, mas que estava perdendo espaço para o UB Faeries, e por isso, teríamos a presença do UR Skred de forma bem branda e com poucos resultados relevantes, que também ocorreu! Isso é ótimo pois mostra que nossa metodologia está bem alinhada com a realidade.


Taxa de Conversão de Tops

metanalysis-s02e02-table3

Podemos ver que, pela taxa de conversão de tops, o arquétipo com melhor aproveitamento em top 8’s no mês foi o Elves, seguido do Boros Bully e do UR Skred. 

Conforme dito, Elves mostrou que não tem medo dos board wipes e que sua potência não é pouca. Colocou 6 de suas 19 cópias no top 8, além de ter ganho um evento no mês, no dia 28 de fevereiro.

O Boros Bully também não fica atrás. Além das 12 cópias em top 8 das 40 presentes no mês, 3 foram campeãs de eventos. Sabemos que essas três vitórias foram creditadas ao Mogged, que insistiu no arquétipo e ganhou três eventos seguidos.

Em terceiro, o UR Skred, mostra que ainda é um arquétipo a ser respeitado, conseguindo mais presença em top 8 do que o gigante Tron. 

Os arquétipos com pior aproveitamento nesse quesito foram o RG Cascade e o Cycle Storm. Este último, apesar da fama recente, e de ter jogos bem fáceis contra alguns arquétipos, ainda é um tanto sensível a ameaças e sideboards. Recentemente joguei contra Cycle Storm em um evento e, após o G1, sair no turno 1 com um terreno e uma Relic of Progenitus resolveu os jogos com facilidade. Claro que, temos contra-ameaças possíveis desse arquétipo, mas no geral, ainda não vemos uma estabilidade suficiente para melhorar o seu aproveitamento. 


Janeiro x Fevereiro

Podemos notar que, no geral, as variações em presença foram bem marginais em relação ao mês passado. As maiores variações foram de fato para o Boros Bully, estrela deste mês, e o Elves. 

Já nas variações de aproveitamento (percentuais de vitória) vemos mudanças maiores. O Tron, que apesar de pouco ter variado em presença no mês, perdeu quase 4% de seu percentual de vitória. O UR Skred também, variando pouco e positivamente a sua presença, caiu em 4% o seu aproveitamento. É algo que é duplamente ruim para o arquétipo, uma vez que um incremento na presença deveria, no mínimo, manter o seu aproveitamento. 

O arquétipo que teve mais impacto no seu aproveitamento foi o UB Next Level Drops (UB Delver), que perdeu 8% de seu percentual de vitórias.

Mas claro, onde uns perdem, outros ganham bastante. Assim, o Boros Bully ganhou quase 4% em seu percentual de vitórias, se consagrando o arquétipo com o melhor aproveitamento em todos os quesitos do mês! Além disso, o Elves e o Burn tiveram também um incremento significativo, chegando a mais de 5% para um desses. O Elves não chega a ser uma grande surpresa, visto que o arquétipo de fato tem bastante potencial. Mas o Burn, depois de meses de resultados medíocres, realmente surpreendeu.

Por fim, o Cycle Storm mostrou um bom incremento em sua presença, mas em contrapartida, teve um decréscimo em seu percentual de vitórias. Essa também não é uma grande surpresa. O arquétipo de fato tem muito a melhorar ainda. Talvez, falte um jogador que assuma o papel de lapidá-lo o suficiente para chegar a uma lista mais consistente.


Previsões para Março

Seguindo o fato de que o metagame apresenta comportamento cíclico, vamos tentar fazer uma previsão para, pelo menos, o início do mês de março.

O Tron apresentou uma queda acentuada, seguida de uma subida acentuada e outra queda acentuada. Assim, visto que a frequência de alternância desse arquétipo está alta no fim do mês de fevereiro, podemos esperar um retorno desse arquétipo no início de março, com presença um pouco maior que a dos últimos eventos.

O mesmo vale para o Boros Bully. Sua frequência de alternância está próxima do Tron. Isto é, esse arquétipo está apresentando subidas e descidas em presença acentuadas e em intervalos pequenos de tempo, cerca de um evento. Assim, podemos esperar queda deste arquétipo também, visto que seu último movimento foi uma subida acentuada.

O UR Skred e o RG Cascade estão opostos em presença em praticamente todo o período de análise. Vimos esse mesmo padrão no mês anterior também, e isso acaba por criar um movimento típico. Assim, podemos esperar também um aumento na presença do UR Skred, e uma queda na presença do RG Cascade.

Outros dois arquétipos não citados mas que podemos esperar uma presença razoável no próximo mês, também, são o Elves, que já mostrou seu potencial neste mês, o Burn, que consegue jogos mais equilibrados em um metagame mais aggro, e o MonoG Walls Combo, que também consegue jogos favoráveis em um metagame mais aggro.


Conclusões

O mês foi dos aggros, sobretudo do Boros Bully! Arquétipo que pessoalmente adoro e esperava pacientemente pelo seu momento de glória! Os Trons parecem cada vez menos problemáticos, enquanto os midranges com Cascade parecem ganhar força cada dia mais! E você, o que acha desse metagame? Arrisco dizer que é um dos metagames mais variados dos últimos anos! Concorda ou discorda? Deixem seus comentários!

Todas as listas citadas estão nos links postados semanalmente na nossa página no Facebook, no nosso perfil no Instagram e no nosso perfil no twitter! Agora estamos também na Twtich, segue lá! Temos também um LinkBio atualizado semanalmente com os principais links postados nas nossas redes e nos nossos artigos. Comente com os amigos pois a sua propaganda é sem dúvida de suma importância para continuarmos trazendo artigos cada vez melhores para vocês!

Nos vemos no próximo artigo!

Até breve!


Fontes

[1] Dados retirados do Challenge Project.

[2] “Announcing Secret Lairs Smitten Superdrop” – https://magic.wizards.com/en/articles/archive/news/announcing-secret-lairs-smitten-superdrop-2021-02-10

[3] Atualização da Banned & Restricted List – https://magic.wizards.com/en/articles/archive/news/february-15-2021-banned-and-restricted-announcement?xd3


Álvaro França

Formado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal Fluminense, trabalha como cientista de dados no mercado de energia e joga Magic:The Gathering desde 1998, com ênfase no formato Pauper desde 2009. Aventurou-se em vários card games e demais jogos de estratégia durante a vida e acumulou largo conhecimento na teoria e prática desse tipo de jogo.

2 comentários

Carlos Lamego · março 11, 2021 às 16:34

Melhor meta game desde que cheguei ao formato. Falando em ligas, a selva que se encontra me agrada. Faz lembrar lojinha 😀

Metanalysis S02E03 – Março de 2021 - Mind Gears · abril 7, 2021 às 01:13

[…] Em fevereiro, após não sermos atingidos por uma massiva atualização na lista de banidas e restritas, pudemos contemplar um metagame bem mais focado nos aggros, e bem menos polarizado do que aparentava estar em janeiro. Em ascensão, o Boros Bully mostrou que ainda é um arquétipo de peso e que Fiery Cannonade não é tão terrível quanto aparentava. Vimos ainda a crescente potencialização dos midranges que usam da mecânica Cascade, sobretudo do RG Cascade, que teve números bem mais altos que o normal. Tivemos também a queda do Tron, que apesar de bem presente em números, não havia demonstrado resultados muito expressivos no decorrer do mês. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *