Metanalysis S02E05 – Maio de 2021

Publicado por Álvaro França em

Metanalysis S02E05

Saudações jogadores!

Bem vindos de volta ao Metanalysis! A nossa análise mensal do metagame do Magic Online! Vamos hoje analisar o metagame de maio de 2021, o último antes das mudanças que Modern Horizons II trará para o Pauper! 

Previously on Metanalysis…

No mês passado, vimos novamente um metagame muito orientado a aggros. Arquétipos como Boros Bully, Affinity, e até o GW Auras tiveram presença no mês, sempre contracenando com os midranges Cascade e com os midranges azuis (UR Skred e UB Faeries principalmente). Além disso, conforme havíamos previsto, vimos de fato um aumento exponencial na quantidade de arquétipos Cascade, sobretudo o Jund Cascade. Apesar da forte presença, tomando até o trono de arquétipo mais presente do Tron, o Jund acabou não tendo um aproveitamento muito bom. Podemos dizer inclusive que foi uma decepção, segundo as nossas expectativas.

Finalizamos o artigo anterior com previsões para maio de queda em presença do Jund Cascade, do Tron e do UR Skred. Previmos também um aumento ou estabilidade do Boros Bully e do UB Faeries, que parecem ter mais facilidade nesse metagame.

Vamos agora conferir se as nossas previsões foram assertivas, analisando o metagame do mês de maio!


Maio de 2021

Como de praxe, iniciaremos com o levantamento dos números resumidos do mês. Tivemos um total de 10 eventos, com mais de 500 inscritos, e mais de 1500  jogos! Contamos ainda com a presença de 39 arquétipos diferentes, sendo cerca de 75% concentrados no top 10 em presença!

OBS: Neste mês, tivemos problemas na coleta dos dados dos eventos dos dias 1, 9, 16 e 29 de maio. Estes eventos serão analisados segundo os resultados dos seus top 32. Como quase metade dos eventos apresentaram este problema, os dados deste mês, a serem apresentados abaixo, possuem maior grau de incerteza do que o normal. Apesar disso, acredito que ainda poderemos ter um panorama confiável do estado do metagame. Só tenham em mente que, analisando apenas o top 32, as quantidades percentuais e percentuais de vitórias podem ser ligeiramente diferentes da realidade.

metanalysis-s02e05-table1
metanalysis-s02e05-graph1
metanalysis-s02e05-graph2

Metagame por quantidades – Dados provenientes do Challenge Project [1]

Iniciando pelo top 10 em presença (primeira tabela e primeiro gráfico), temos já uma grande surpresa. No mês passado isso já havia ocorrido, mas agora parece que as coisas ficaram mais claras. O Tron não só não foi o arquétipo mais presente do mês, mas também caiu para 6º lugar. Mesmo considerando a perda de parte dos dados dos quatro eventos citados anteriormente, tivemos realmente uma queda mais expressiva na presença do Tron. 

Quando olhamos para o novo primeiro lugar, temos uma boa ideia da motivação dessa queda do Tron, que desde sempre apresentou uma presença tão forte no metagame. O UB Faeries é realmente um predador do titã das 7 manas, e acaba dificultando a sua performance. Não só isso, mas todos os decks acima do Tron no top 10 em presença, tem matchs mais justas contra o Tron. Isso acaba tornando o ambiente mais hostil, a ponto de, de fato, colocar o Tron em xeque com mais facilidade. Acredito que essa seja a primeira vez que vemos essa queda no Tron em um raio de quase um ano.

UB Faeries Archives - ChannelFireball - Magic: The Gathering Strategy,  Singles, Cards, Decks

Pois bem, seguindo as análises, vemos que o novo campeão em presença é o UB Faeries. Essa foi uma das previsões que fizemos no final do artigo passado que se concretizou. O arquétipo, como já citamos incansavelmente em artigos anteriores, é de fato uma ferramenta poderosíssima. Sem sombra de dúvidas, é o midrange azul com maior potencial e melhor performance no metagame hoje, e já há algum tempo. Ele perde acesso a Pyroblast/Red Elemental Blast e Gorilla Shaman/Shenanigans, que ainda são sideboards muito fortes no metagame, mas ganha remoções muito melhores como Snuff Out e Cast Down. E, claro, acesso a Gurmag Angler nunca é ruim. 

Não obstante de sua efetividade, a presença de UB Faeries nesse mês foi alarmante. Com quantidades só vistas antes pelo Tron (em meses sem a presença de um Super Qualifier), essa alta pode ser preocupante. Comentaremos mais sobre as consequências deste efeito adiante.

Outra surpresa foi a presença e efetividade do Burn. Depois de uma queda no mês anterior, que poderia indicar uma retomada à média, fomos surpreendidos por sua retomada. Como sempre digo, apesar de ter comumente um desempenho baixo, o Burn é arquétipo muito forte e não pode ser subestimado. Ele só precisa achar o metagame certo, e parece que esse é o caso. Depois da série de mudanças que o metagame sofreu desde o lançamento de Commander Legends, o Burn vem ganhando cada vez mais espaço. Escorrega em alguns meses, mas no geral, tem mostrado resultados melhores do que o metagame anterior ao lançamento de Commander Legends.

O UR Skred, conforme prevemos, de fato teve uma queda no início do mês. Porém, no decorrer dos eventos, voltou a mostrar presença e emplacar resultados. 

Essa parece ser a temporada dos midranges azuis. Com a queda do volume dos midranges Cascade, os midranges azuis acabam tendo mais espaço para alcançar melhores posições.

Modern Musings: Forgotten Artifacts Part Three — Myr Enforcer – The Mana  Base

O mesmo vale para o Affinity. Não chegamos a fazer previsões para este arquétipo em específico, mas o seu volume e efetividade de fato aumentaram. Os Gorilla Shamans do metagame não o amedrontam. Vigorando principalmente em sua versão Grixis, que nas nossas postagens chamamos de Munitions Affinity, esse arquétipo não só aumentou em número como manteve uma eficiência muito próxima a do mês anterior. Tendo acesso a Disciple of the Vault e Makeshift Munitions, consegue fazer uma combinação letal com seus artefatos de custo baixo e até mesmo com suas lands artefato. E, claro, não podemos esquecer do acesso a Atog + Fling, combo poderosíssimo e majoritariamente letal para seus adversários.

Os demais arquétipos eram esperados. Vale apenas ressaltar a queda em presença do Boros Bully, e a retomada do Boros Monarch, que já há algum tempo andava sumido. Isso foi motivado pela presença dos midranges Cascade no metagame, mas agora com a redução nos números desses arquétipos, o Boros Monarch tem mais espaço para oferecer bons resultados. Principalmente em um metagame infestado de midranges azuis.

Vamos agora analisar os dados do ponto de vista do percentual de vitórias (segundo gráfico).

Primeiramente, vocês devem ter notado que o percentual de vitória da maioria dos arquétipos está um pouco mais elevado do que o normal. Isso provavelmente é devido ao problema na coleta dos quatro eventos que citei no início desta seção. Como foram utilizados apenas os dados dos top 32 destes eventos, ficaram perdidos os dados com os piores resultados destes eventos. Mesmo utilizando o Additive Smoothing [2], como fazemos normalmente, os valores ainda parecem maiores do que a realidade. Porém, fazendo um ajuste nos parâmetros do Additive Smoothing para os eventos que tiveram dados faltantes, chegamos a um resultado que é cerca de 2% menor do que o resultado apresentado nos gráficos e tabelas anteriores. Assim, vamos apenas considerar que o percentual de vitórias de cada arquétipo é cerca de 2% menor do que está disposto, para que comparativamente aos outros meses não tenhamos grandes discrepâncias.

Retomando, como podemos ver, tivemos resultados muito bons para a maioria dos arquétipos, e também, no geral, muito próximos um do outro. Os destaques ficam para o UB Next Level Drops/Delver, que apesar da baixa quantidade, teve resultados excelentes neste mês. Pela quantidade bem menor do que a dos outros, seus dados são menos fiéis. Mas considerando que o arquétipo, assim como os demais midranges azuis, tem ótimas ferramentas para lidar com o metagame atual (conjunto de boas remoções, cantrips, counters, postura aggro com Gurmag Angler, discards e etc), podemos no mínimo acreditar que o arquétipo tem potencial e está apenas sendo ofuscado pelo seu “primo”, UB Faeries.

E por falar nele, este é o segundo arquétipo com melhor aproveitamento do mês. Já comentamos anteriormente como o arquétipo dispõe de boas ferramentas frente ao metagame atual, então não vou ser repetitivo. Mas é importante saber que um midrange azul com acesso a Ninja of the Deep Hours e Spellstutter Sprite deve sempre ser respeitado. Conseguir bater de frente de igual para igual com a maioria dos outros arquétipos, e de quebra reduzir a presença do Tron, não é para qualquer arquétipo. Com menos GW Auras, MonoW Heroics e Stompys no metagame, sua única preocupação deve ser os Affinitys e Burns (eventualmente).

Em seguida, temos o UR Skred e o Tron. O UR Skred continua sendo uma escolha um pouco pior do que a do UB Faeries para midranges azuis, mas ainda é um arquétipo muito forte como já comentado. Acesso a Pyroblast para lidar com outros midranges azuis também acaba sendo um diferencial e um dos principais motivos do porque os jogadores simplesmente não abandonam o UR Skred pelo UB Faeries.

Urza's Art School | MAGIC: THE GATHERING

O Tron, em contrapartida, apesar da sua clara força e efetividade no decorrer dos meses, perdeu espaço pela quantidade de midranges azuis presente no metagame, como já citado. Se somarmos as quantidades de midranges azuis presentes neste mês, temos cerca de 400% do valor de Trons. Isso, sem contar os dados que foram perdidos dos quatro eventos citados anteriormente. É, de fato, um ambiente hostil para o titã das 7 manas.

Por fim, vale citar novamente o Burn, que novamente trouxe um aproveitamento acima de 50%, praticamente consolidando sua eficácia nesse metagame. Vale citar também, novamente, o Affinity, que com sua versão “Munitions” tem dado um tanto de dor de cabeça para o UB Faeries e demais arquétipos que não possuem um sideboard muito consistente contra artefatos. E finalmente, falemos também do Boros Monarch, que com suas poucas aparições conseguiu mostrar um aproveitamento razoável, retomando ao metagame após um período de férias, em épocas de Cascade.

Podemos então concluir que, resumidamente, o metagame não mais parece tão direcionado a aggros como nos meses anteriores. Apesar de ainda termos boa presença de arquétipos como Stompy, Affinity e Burn, o direcionamento do metagame agora está muito mais voltado para os midranges azuis. Assim, claro, Trons ficam no banco de reservas, e aggros batalham para conseguir alcançar bons resultados frente a maré de UB Faeries e UR Skreds. Isso pode ser visto na tabela abaixo.

metanalysis-s02e05-table3

Claro que, essencialmente, o Pauper é um formato com mais presença nos arquétipos aggro. Por isso, a quantidade geral de aggros ainda é superior às dos demais tipos de arquétipo. Mas comparativamente ao mês passado, podemos ver uma exponencial crescente nos midranges azuis, principalmente na segunda quinzena do mês. Um aumento de mais de 10% pode ser considerado relevante, e quando comparado aos aproveitamentos que veremos a seguir, isso fica ainda mais claro.

Vale lembrar que a parcela de combos disposta acima não engloba apenas o MonoG Walls Combo como era até alguns meses atrás. Temos nessa parcela um arquétipo que comentamos no artigo passado, que é relativamente novo no formato. Estou falando do First Day Combo, que chegou até a fazer bons resultados no mês passado. Porém, como a maioria dos combos do formato, este arquétipo é muito sensível a counters e remoções efetivas. Por isso, frente a grande quantidade de UB Faeries, neste mês, este arquétipo não apresentou grandes resultados. Realmente uma pena! 🙁

Por fim, antes de passarmos para a próxima seção, vamos relembrar as nossas previsões do artigo passado e averiguar se foram assertivas.

Apostamos em uma queda nos Trons, Jund Cascade e UR Skred. O Tron e o Jund Cascade de fato cairam bastante em presença. O UR Skred teve também uma queda mais expressiva no início do mês, mas apresentou uma retomada na segunda quinzena. Não foi uma retomada muito expressiva, mas foi o suficiente para manter sua presença alta. Então, podemos dizer que acertamos 2,5 de 3! 😛

Apostamos também em uma estabilidade do Boros Bully e um aumento/estabilidade do UB Faeries. Acertamos novamente no UB Faeries, mas o Boros Bully acabou não se sustentando. Chegou até a apresentar bons resultados na segunda quinzena do mês, mas não foi um movimento de estabilidade como previmos. Então, nessa parte, acertamos 1 de 2. Bom, de toda forma, 3,5 de 5 ainda me parece uma previsão bastante assertiva, não acham? Vamos nos esforçar mais nas previsões para o próximo mês!


Taxa de Conversão de Tops

metanalysis-s02e05-table4

Iniciando pelos top 8s, vemos que o arquétipo com melhor aproveitamento nesse quesito foi o Boros Bully. Apesar de presença menor neste mês, o Boros Bully mostra que ainda é um arquétipo a ser respeitado. Mesmo aparecendo mais apenas na segunda quinzena, o arquétipo ainda conseguiu emplacar 7 das 80 posições em top 8 no mês, sendo que em uma foi campeão.

Em seguida temos, respectivamente, o UR Skred, o UB Faeries e o Tron. Mesmo com um percentual similar ao UB Faeries, podemos ver que o Tron ocupou menos da metade das posições em top 8 que o UB Faeries. Certamente suas quantidades reduzidas interferiram nesses valores, o que deixa claro que apesar de estar presente em menor número, o Tron ainda é um arquétipo muito forte e deve ser respeitado. Apenas encontra-se em um metagame que não é favorável. O UR Skred, em contrapartida, teve percentuais acima de ambos os demais. Isso também mostra que mesmo não sendo o mais escolhido dos midranges azuis, ele ainda está bem posicionado. Volto a repetir que o acesso a Pyroblast em um metagame de midranges azuis faz toda a diferença.

Para demonstrar novamente a força dos midranges azuis nesse metagame, vamos fazer o seguinte cálculo: das 80 posições em top 8 neste mês, 31 foram dadas a midranges azuis. Isso é quase 40% dos top 8s apenas para midranges azuis! É um número não só incrível como alarmante. Mas chegaremos lá!

Os piores arquétipos nesse quesito neste mês foram, respectivamente, o Stompy (com apenas um top 8), o Boros Monarch e o RG Cascade. O Boros Monarch, pelo menos, conseguiu vencer um desses eventos. O que nos leva à análise do percentual de top 1s.

O arquétipo que melhor se posicionou como campeão neste mês, incrivelmente foi o próprio Boros Monarch. Apesar de ter ganho apenas um evento, o arquétipo conseguiu essa proeza com menos de ¼ da presença do campeão deste mês, o UB Faeries. Esse, por sua vez, é o segundo arquétipo com melhor desempenho em top 1s neste mês.

Volto a repetir que, sim, as quantidades interferiram bastante nesta resultado. Uma vez que vemos uma quantidade tão grande de UB Faeries no metagame, é comum que boa parte dele faça bons resultados. Mas acredito que ser campeão de quase metade dos eventos do mês seja um fator a mais a ser considerado. Se considerarmos como parâmetro comparativo o Burn, por exemplo, que teve também uma grande presença neste mês mas não ganhou nenhum evento, vemos que quantidade não é o único fator de consideração. Assim, fica claro que o UB Faeries de fato é um arquétipo bem posicionado nesse metagame, e visto seu aproveitamento em percentuais de vitória, presença, percentuais de top 8s e percentuais de top 1s, podemos dizer que este foi o arquétipo com melhor aproveitamento do mês!

Os arquétipos com pior desempenho em percentuais de top 1s neste mês foram, empatados, o Burn, o Stompy, o RG Cascade e o Affinity, com nenhuma vitória. Visto que o Stompy também não teve grande presença, nem um percentual de top 8s muito bom, podemos considerar que este foi o arquétipo de pior desempenho dentre os 10 mais presentes desse mês. Uma pena, pois apostava em uma retomada forte do Stompy com o lançamento de Bayou Groff.

Vamos agora analisar as principais diferenças entre este mês e o mês anterior!


Abril x Maio

metanalysis-s02e05-table5

Temos aqui que levar em consideração, novamente, a perda dos dados dos quatro eventos citados no início deste artigo. Como temos parâmetros um pouco diferentes de um mês para o outro, a comparação passa a ser menos assertiva. Mas, de qualquer forma, vamos fazer uma análise qualitativa apenas para termos ideia do desenvolvimento do metagame no mês de maio.

Mesmo com valores não muito precisos, podemos ver que os arquétipos que tiveram maior aumento em presença nesse mês foram, respectivamente o UB Faeries, o Affinity e o MonoG Walls Combo. O UB Faeries já era esperado, pelos inúmeros motivos que já citamos nesse artigo. Mas tanto o Affinity quanto o MonoG Walls Combo são surpresas.

O Affinity, por ter tido um longo período de dormência e por ainda sofrer com os sideboards do formato, e o MonoG Walls Combo por…bem, não ter muitos motivos para reaparecer. Mesmo em sua versão com as criaturas com Cascade, o arquétipo tem jogos muito difíceis contra variantes UB no geral, principalmente as que utilizam Snuff Out. Assim, é possível que esse repentino aumento possa ter sido motivado apenas pela mudança brusca no metagame. É similar ao que ocorre quando levamos um susto. Entre o estágio de perenidade antes e após o susto, temos um estado de caos e pânico no qual o nosso corpo emite uma série de pulsos no nosso sistema nervoso e ficamos vulneráveis. É mais ou menos assim que o MonoG Walls Combo pode ter aumentado a sua presença, se aproveitando de um momento de vulnerabilidade do metagame que logo não existirá mais.

Os arquétipos que tiveram maior queda em presença foram o Tron, o Boros Bully e o Stompy. Todos foram, de uma forma ou de outra, uma surpresa. O Tron, por ter sido um arquétipo consolidado no metagame por meses sem sequer deixar a primeira posição em presença, e os demais por serem arquétipos que teoricamente conseguem se beneficiar de um metagame mais lento como o de agora. Isso também pode ter sido motivado pela concentração de midranges azuis no formato, forçando alguns jogadores que antes pilotavam esses arquétipos a buscarem novas alternativas para o novo metagame.

Sobre o percentual de vitórias, vamos apenas dizer que os midranges azuis e o Burn tiveram uma melhora neste mês, enquanto o Affinity, o RG Cascade e o Stompy mostraram queda. Avaliar estes números de forma quantitativa não parece coerente, visto a falta de parte dos dados. Então, foquemos apenas na lógica e em como tanto o aumento no aproveitamento dos midranges azuis, e consequentemente do Burn, faz sentido com o movimento do metagame, tanto quanto a queda dos demais supracitados. 

Vamos agora tentar prever o comportamento do metagame do próximo mês!


Previsões para Junho

Antes de iniciarmos as nossas previsões, precisamos falar de um fator diferencial para o próximo mês.

No dia 02/06/2021, tivemos a entrada de uma nova coleção no Magic Online. Trata-se de Modern Horizons II, edição parte de um ciclo que, historicamente, trouxe cartas poderosas e muitas vezes problemáticas ao Pauper. Bons exemplos são Arcum’s Astrolabe e Foil, em que ambas acarretaram em banimentos posteriores. 

O Conteúdo de cada produto de Modern Horizons II | Magic: the Gathering MTG

Desde o início dos spoilers, algumas cartas mostraram claro potencial para o Pauper. Dentre elas temos Chatterstorm, e o ciclo de lands artefato indestrutíveis como Silverbluff Bridge, que com certeza abalou as estruturas dos Gorilla Shamans do Pauper.

Depois de um longo período sem muitos Storms no formato, novamente teremos um combo baseado nele. Isso é bom pois o formato realmente é necessitado de combos. Mas ao mesmo tempo, isso também é ruim, pois, no geral, combos com Storm não tem uma boa fama e nem um histórico muito amistoso no nosso formato. Não é atoa que todas as demais cartas com Storm que podem finalizar o jogo são banidas hoje, junto a outras cartas que podem ser conjuradas de graça ou virtualmente de graça. 

Rick and Morty: Morty's Mind Blowers is a Great Starting Episode | IndieWire

Assim, independente do movimento típico do metagame, podemos esperar pelo menos novas versões mais consistentes de Affinity no metagame, além de algumas versões de Storm Combo no próximo mês.

Voltando às análises gráficas, temos uma clara tendência de queda para os arquétipos UB Faeries, Burn e Affinity. Porém, visto sua efetividade e fama no momento, acredito que o UB Faeries não apresente uma queda muito acentuada, e que tenda para um movimento de estabilidade no decorrer do mês. O mesmo vale para o Affinity que, visto a entrada de novas cartas, deve apresentar um aumento acentuado pelo menos nas primeiras duas semanas do mês, até que o metagame se ajuste às novas listas e novos formatos para o arquétipo.

O Burn, em contrapartida, por ser um arquétipo mais sensível a mudanças e por normalmente cativar jogadores mais agressivos, deve sofrer uma queda mais acentuada, com seus jogadores alternando para listas do futuro Storm Combo.

É possível ver também que o UR Skred e o Tron apresentam tendências de subida, visto que seus últimos movimentos foram de queda. Para o Tron, é bem possível que isso não aconteça, visto que as novidades trazidas por Modern Horizons II devem ocupar o tempo de deckbuilding dos jogadores mais assíduos do arquétipo. Para o UR Skred tão pouco devemos observar uma subida, uma vez que o Affinity provavelmente vai retomar com força e não vai dar muito espaço para que arquétipos mais lentos se desenvolvam. Ainda mais agora que seu principal sideboard contra o arquétipo deve perder muito de sua efetividade. Assim, vamos esperar na verdade uma queda de ambos os arquétipos, pelo menos neste início de mês. 


Conclusões

Neste mês tivemos uma mudança clara no metagame para um formato mais receptivo à midranges azuis. Arquétipos como UB Faeries e UR Skred apareceram com uma presença tamanha que até o Tron ficou mais acanhado. Mas, isso pode não se manter por muito tempo, visto que Modern Horizons II vem aí e promete trazer novas ferramentas para o formato.

Todas as listas citadas estão nos links postados semanalmente na nossa página no Facebook, no nosso perfil no Instagram e no nosso perfil no Twitter! Agora estamos também na Twtich, segue lá! Temos também um LinkBio atualizado semanalmente com os principais links postados nas nossas redes e nos nossos artigos. Comentem com os amigos pois a sua propaganda é sem dúvida de suma importância para continuarmos trazendo artigos cada vez melhores para vocês!

Nos vemos no próximo artigo!

Fontes

[1] Dados retirados do Challenge Project.

[2] “Additive Smoothing” – Wikipedia – https://en.wikipedia.org/wiki/Additive_smoothing


Álvaro França

Formado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal Fluminense, trabalha como cientista de dados no mercado de energia e joga Magic:The Gathering desde 1998, com ênfase no formato Pauper desde 2009. Aventurou-se em vários card games e demais jogos de estratégia durante a vida e acumulou largo conhecimento na teoria e prática desse tipo de jogo.

1 comentário

Metanalysis S02E06 - Junho de 2021 - Mind Gears · julho 3, 2021 às 01:20

[…] artigo de maio, discutimos um metagame que envolvia basicamente midranges azuis e aggros. Com uma fama crescente e […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *